Efe
Efe

Bomba no Iraque deixa 2 mortos perto de restaurante em Bagdá

O número de mortos por uma série de bombas no dia anterior na capital subiu para 101

AE-AP, Agencia Estado

20 de agosto de 2009 | 10h55

Uma bicicleta-bomba explodiu perto de um restaurante em Bagdá, nesta quinta-feira, matando duas pessoas. O mais recente ataque demonstra os graves problemas de segurança no país. O número de mortos por uma série de bombas no dia anterior na capital subiu para 101.

 

Veja também:

link Iraque vai reavaliar segurança após piores ataques em mais de um ano

especialEspecial: Guerra no Iraque: do início ao fim

mais imagens Fotos: Veja galeria dos atentados

video Vídeo: Imagens dos locais atacados no YouTube

 

Mais de 500 pessoas também ficaram feridas nos ataques de quarta-feira, com bombas explodindo quase simultaneamente nos Ministérios das Relações Exteriores e das Finanças, entre outros pontos. Foi o pior dia de ataques coordenados no país em mais de um ano.

 

A carnificina representou mais uma derrota para os esforços do governo para levar Bagdá à normalidade. O general Qassim al-Moussawi, porta-voz das Forças Armadas locais, afirmou que 11 comandantes do Exército encarregados de monitorar as áreas atingidas foram detidos, sob suspeita de negligência.

 

O primeiro-ministro Nouri al-Maliki convocou uma reunião de emergência, no fim da quarta-feira, para discutir com altos funcionários da segurança "medidas rápidas para alcançar segurança e estabilidade" em Bagdá e nas áreas próximas, segundo comunicado.

 

Maliki culpou insurgentes sunitas ligados à Al-Qaeda no Iraque pela violência. No fim de junho, as tropas norte-americanas deixaram as cidades iraquianas e devem sair do país até o fim de 2011. Restarão apenas tropas encarregadas de treinamento e consultoria para os locais.

 

Nesta quinta-feira, o ataque com uma bicicleta carregada de explosivos ocorreu no centro da capital, matando pelo menos duas pessoas e ferindo 18.

 

Também nesta quinta-feira, um dos dois vice-primeiros-ministros do Iraque abandonou o posto para assumir o governo regional curdo, no norte do país. Barham Saleh, um curdo, era um nome importante no governo de Maliki em assuntos econômicos e do setor de petróleo.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBagdáexplosõesmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.