AP
AP

Bombardeio do Exército sírio mata seis crianças

Rodadas de artilharia e morteiros atingiram várias ruas residenciais em Herak

Reuters

24 de julho de 2012 | 12h43

AMÃ - Um bombardeio do Exército sírio matou pelo menos seis crianças e quatro outros civis nesta terça-feira, 24, na cidade de Herak, em Hauran Plain, disseram ativistas da oposição, enquanto um vídeo mostrou corpos mutilados dispostos em um hospital local .

Veja também:

linkCidade síria de Alepo enfrenta quarto dia de combates

linkForças sírias combatem rebeldes no centro da cidade de Alepo

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

"Rodadas de artilharia e morteiros atingiram várias ruas residenciais em Herak. A maioria das crianças que morreram morava na mesma rua", contou Shams al-Horani, um dos ativistas, à Reuters por telefone da cidade de Deraa, berço da revolta de 16 meses de duração contra o presidente Bashar al-Assad.

"O Exército está alvejando Herak, al-Nuiameh, Dael, Khirbat Ghazaleh e Old Deraa a partir do (estádio de futebol) Malaab al-Baladi em Deraa", acrescentou.

Fontes da oposição disseram que as forças de Assad já haviam perdido o controle de Deraa e os principais centros populacionais em Hauran, que se estende desde os arredores da capital Damasco até a fronteira com a Jordânia.

Mas o Exército vem atacando fortemente as áreas sob controle rebelde na última semana e dezenas de pessoas, a maioria civis, foram mortos, disseram as fontes.

Um vídeo divulgado na Internet mostrava os corpos de várias crianças em Herak com furos em suas pernas, tronco e cabeça, e uma mulher morta no chão de um hospital.

Uma menina vestindo um top rosa e azul com estrelas e corações estava na maca de um médico. As pernas estavam ligadas ao resto do corpo apenas pela pele.

Ao lado dela estava outra menina com um buraco no peito e dois meninos com cortes em suas pernas e cabeça. Um dos meninos vestia uma camiseta do Popeye. Todos os quatro eram tão pequenos que cabiam em uma única maca.

No chão, numa poça de sangue, havia um menino em uma camiseta amarela. Próximo a ele uma mulher vestindo um véu negro estava morta. Uma bandagem branca impedia a mandíbula de cair. Ao lado da mulher estava a vítima mais jovem, uma bebê com cabelos finos em um vestido roxo.

"Nós confiamos em Deus!", gritava um homem no vídeo, culpando os assassinatos na artilharia do governo. "As crianças de Herak morrem em bombardeio diariamente", acrescentou, dizendo que a cidade tinha sido bombardeada durante 10 dias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.