Bombardeio dos EUA mata 19 insurgentes e 15 civis no Iraque

Bombardeios norte-americanos contrasupostos líderes da Al Qaeda no norte do Iraque mataram 19insurgentes e 15 mulheres e crianças, disseram militares dosEstados Unidos na quinta-feira. No mesmo dia, um relatório de direitos humanos da ONU pediuque os EUA investiguem a morte de civis em bombardeios eincursões terrestres e divulguem os resultados. A ONU também cobrou uma apuração sobre eventuais crimes deguerra cometidos por empresas particulares de segurança nopaís, e disse que os governos envolvidos devem garantir aaplicação das leis. A morte de 17 iraquianos num tiroteio envolvendo agentes daempresa norte-americana Blackwater, no mês passado, crioutensões entre Bagdá e Washington, gerando apelos pelo fim daimunidade judicial das empresas de segurança no Iraque. Ivana Vuco, responsável da ONU para questões de direitoshumanos no Iraque, disse em entrevista coletiva que as empresasprivadas de segurança deveriam ser submetidas ao direitohumanitário internacional. "As investigações sobre se crimes contra a humanidade ecrimes de guerra estão sendo cometidos e obviamente asconsequências disso são coisas que estamos prestando atenção edefendendo", disse ela. Um sobrevivente que ficou ferido e parentes de trêsiraquianos mortos no incidente com a Blackwater abriramprocesso contra a empresa na quinta-feira num tribunal dos EUA. ATAQUES Num dos piores ataques insurgentes de quinta-feira, umcarro-bomba matou pelo menos sete pessoas e feriu 50 em Kirkuk(norte), segundo a polícia. Um dos feridos é o chefe da políciade trânsito local. A Al Qaeda iraquiana vinham ameaçando atacar policiaisiraquianos e lideres tribais sunitas que colaboram com asforças dos EUA. Nesta semana, de fato, houve uma onda de açõescontra policiais e líderes tribais no norte do Iraque. Em Bagdá, um homem-bomba matou oito pessoas e feriu 25 numcybercafé. Os civis iraquianos são de longe os mais afetados pelaviolência desde o início da ocupação norte-americana, em marçode 2003. Segundo o site Iraq Body Count, mantido por acadêmicose pacifistas, pelo menos 74.930 civis morreram desde então. "Lamentamos que civis sejam feridos ou mortos enquanto asforças da coalizão tentam livrar o Iraque do terrorismo", disseo major Brad Leighton, porta-voz das forças dos EUA no Iraque,referindo-se à letal ação de quinta-feira. "Esses terroristas escolhem colocar deliberadamentemulheres iraquianas e seus filhos em perigo com suas ações esua presença." A missão da ONU no Iraque disse em seu relatório sobre osegundo trimestre que 88 civis foram mortos por bombardeiosaéreos dos EUA no período. (Reportagem adicional de Aseel Kami, Ross Colvin e PaulTait)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.