Bombardeios de forças pró-Kadafi matam 6 pessoas em Misrata

Cidade está sitiada pelas forças de Kadafi há quase dois meses

EFE,

17 de abril de 2011 | 08h57

Argel, 17 abr - Pelo menos seis pessoas morreram e outras 47 ficaram feridas nos bombardeios das últimas horas realizados pelas forças leais ao líder líbio Muammar Kadafi contra a cidade de Misrata, informa neste domingo a rede de televisão Al Jazeera.

Veja também:

linkLíbia nega ataques com bombas banidas

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

A emissora catariana, que cita como fonte um porta-voz dos rebeldes líbios, indica que as forças de Kadafi lançaram mísseis Grad e usaram artilharia pesada, causando graves danos em algumas áreas residenciais e industriais de Misrata.

A cidade, a terceira mais importante do país e sitiada pelas forças de Kadafi há quase dois meses, está há três dias consecutivos submetida a um intenso bombardeio, que já causou dezenas de mortes.

A Al Jazeera divulgou imagens de civis chorando em frente aos corpos de seus amigos e parentes, envolvidos em lençóis ou cobertores.

Desde quinta-feira passada, cerca de 60 pessoas morreram, entre elas cinco cidadãos egípcios, e dezenas ficaram feridas nesses ataques das tropas do regime.

Moradores da cidade disseram neste sábado que as forças de Kadafi costumam realizar seus ataques no início da manhã e no início da noite, ocultando-se durante o resto do dia para evitar as bombas dos aviões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Os líderes da revolução advertiram à comunidade internacional que a cidade vai viver "um verdadeira massacre" caso as forças da Otan não atuem com maior força.

Os rebeldes também acusaram o Governo de Trípoli de usar bombas de fragmentação em seus ataques, algo que o regime de Kadafi desmentiu.

Tudo o que sabemos sobre:
KadafiLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.