Bombardeios de Israel matam quatro meninos na Faixa de Gaza

Forças israelenses mataram quatro meninospalestinos que jogavam futebol na quinta-feira na Faixa deGaza, segundo fontes hospitalares. Israel intensificou seusataques em represália pela morte de um cidadão seu, atingidopor um foguete na véspera. Com a morte dos meninos --de 10, 12, 13 e 15 anos, perto dacidade de Jabalya-- subiu para 27 o número de palestinos mortosnos últimos dias na Faixa de Gaza. Uma porta-voz militar disseque o míssil visava a militantes que haviam lançado foguetescontra Israel. "Estamos no auge da batalha", disse o primeiro-ministroEhud Olmert em Tóquio, onde se encontrou com a secretária deEstado norte-americana, Condoleezza Rice, que vai na próximasemana a Israel e à Cisjordânia tentar promover o processo depaz, retomado precariamente em novembro. Dando a entender que não haverá uma ofensiva terrestre,Olmert disse que a luta na Faixa de Gaza é "um longo processo"e que não há "fórmula mágica" para conter os foguetes. Horas depois, porém, um porta-voz da chancelaria disse quea violência "pode nos deixar sem escolha" senão enviar tropaspor terra à Faixa de Gaza, região que foi militarmentedesocupada em 2005. Os mísseis israelenses mataram seis palestinos naquinta-feira, segundo fontes hospitalares --três civis adultose nove militantes, além dos quatro meninos. Outro míssil atingiu um posto policial a 150 metros da casade Ismail Haniyeh, líder regional do grupo islâmico Hamas, quegoverna a Faixa de Gaza. O ataque matou um civil e ummilitante, segundo fontes médicas. O alvo aparentemente não eraHaniyeh, cuja casa não foi atingida. Na quarta-feira, um bebê palestino de seis meses foi mortopor um bombardeio, horas depois de Israel registrar a suaprimeira vítima fatal provocada por um foguete palestino desdemaio, na cidade de Sderot. O Exército de Israel diz que 31 foguetes e 15 morteirosforam lançados na quinta-feira da Faixa de Gaza. Três pessoasficaram feridas em Israel, e o ministro de Segurança do país,em visita a Sderot, teve de sair correndo ao ouvir sirenes dealerta. Dois foguetes caíram ainda mais longe da fronteira,atingindo uma casa e um cemitério em Ashkelon, uma cidade de120 mil habitantes. Não houve feridos. Ao atingir Ashkelon, o Hamas mostra que voltou a usar osfoguetes Grad, projetados pelos soviéticos, que são maisprecisos e poderosos que os semi-artesanais Qassam. (Reportagem adicional de Arshad Mohammed e Tova Cohen emTóquio, Nidal al-Mughrabi em Gaza, Atef Saad em Nablus e DanWilliams, Ori Lewis, Avida Landau e Alastair Macdonald emJerusalém)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.