Bombas e morteiros não conseguem parar eleição provincial no Iraque

Ataques a bomba e tiros de morteiros não conseguiram impedir iraquianos de ir às urnas neste sábado na primeira eleição em âmbito nacional desde que as tropas norte-americanas deixaram o país mais de um ano atrás.

Reuters

20 de abril de 2013 | 16h08

As eleições provinciais servirão para medir a força dos partidos políticos antes da eleição do parlamento em 2014, quando será escolhido um novo governo para o país que é profundamente dividido em grupos religiosos.

Cerca de uma dúzia de pequenas bombas explodiram e um morteiro atingiu uma área perto de centros de votação em cidades ao norte a ao sul da capital. Três eleitores e um policial foram feridos, disse a polícia.

A violência foi relativamente pequena para um país onde um braço local da rede al Qaeda e outros muçulmanos sunitas têm aumentado seus esforços para desestabilizar o governo xiita.

Resultados preliminares deverão ser divulgados apenas dentro de alguns dias, mas as autoridades eleitorais disseram que a presença chegou a 50 por cento dos eleitores habilitados --mais de 6,4 milhões--, um percentual similar ao das últimas eleições para os conselhos provinciais em 2009.

(Reportagem de Patrick Markey, com reportagem adicional de Ahmed Rasheed e Raheem Salman em Bagdá e Aref Mohammed em Basra)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEELEICOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.