Bombas matam 19 no Iraque, apesar de segurança reforçada

Duas bombas mataram pelo menos 19 pessoasnesta segunda-feira em Bagdá, apesar do policiamento reforçadona cidade para a visita do presidente iraniano, MahmoudAhmadinejad. As autoridades locais disseram que os ataques não tiveramrelação com a visita, a primeira de um líder regional desde ainvasão norte-americana de 2003. No pior incidente, pelo menos 15 pessoas morreram e 20ficaram feridas quando uma patrulha militar foi atingida poruma bomba num carro estacionado no bairro de Bab Al Muadham, nocentro da capital, segundo a polícia. Entre os mortos estão soldados iraquianos, forças locaisapoiadas pelos Estados Unidos e civis, informou o comandomilitar norte-americano. Outras quatro pessoas morreram e 10 ficaram feridas quandoum homem-bomba atirou um microônibus contra um posto militar deGhadeer, zona leste de Bagdá. Militares dos EUA disseram que os soldados iraquianosimpediram que o homem-bomba chegasse até seu provável alvo, umquartel próximo dali, o que pode ter poupado diversas vidas. A explosão destruiu três casas, incendiou vários carros ematou dois soldados. No bairro de Waziriya (zona norte), uma terceira bomba,deixada na calçada, feriu três civis, segundo a polícia. Os incidentes ocorrem apesar do reforço da segurança parareceber Ahmadinejad. As autoridades interditaram duas pontesperto do palácio em que vive o presidente Jalal Talabani, ondeAhmadinejad deve pernoitar e encontrar Talabani e outroslíderes iraquianos. Muitas ruas também foram interditadas, impedindo algunsmoradores de chegarem a seus locais de trabalho. O general Qassim Moussawi, porta-voz das operações desegurança em Bagdá, disse que as explosões são "ataquesregulares [...], sem nada a ver com a visita do presidenteiraniano". "Se um homem-bomba quer cometer suicídio, como podemosimpedi-lo?", afirmou. Autoridades norte-americanas disseram que as forças dos EUAsó vão participar do esquema de proteção a Ahmadinejad se osanfitriões pedirem. (Reportagem adicional de Aseel Kami e Ahmed Rasheed emBagdá)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.