Bombas matam 4 soldados dos EUA e chefe antiterror no Iraque

Ataques voltam a ocorrer após início da retirada de tropas; número de americanos mortos é de 4.343 desde 2003

Agência Estado e Associated Press,

08 de setembro de 2009 | 12h31

Bombas colocadas à beira de estradas mataram quatro soldados americanos nesta terça-feira, 8, em diferentes incidentes no Iraque, segundo os militares dos EUA. A terça-feira foi um dos dias mais mortíferos para as tropas americanas no país nas últimas semanas.

 

No primeiro ataque, uma bomba atingiu uma patrulha no sul de Bagdá, perto das 10h30 (hora local), matando um soldado. No norte do país, às 11h40, uma bomba matou outros três soldados.

 

Com isso, subiu para pelo menos 4.343 o número de militares dos EUA mortos na guerra no Iraque desde a invasão de março de 2003, segundo balanço da agência de notícias Associated Press. As mortes ocorrem após um período relativamente calmo para as tropas em agosto, com sete mortes, o mês com menos baixas desde a invasão.

 

Além dos soldados americanos, o coronel iraquiano Zaid Hussein Khalaf, chefe da unidade antiterrorismo da polícia, e quatro de seus guarda-costas morreram na explosão de uma bomba no norte do país. O ataque ocorreu em Armili, cidade de maioria xiita da minoria étnica turcomana.

 

Em Bagdá, um funcionário do Ministério da Saúde escapou de uma tentativa de homicídio, quando uma bomba atingiu o comboio em que estava. Um funcionário do ministério morreu, segundo a polícia e autoridades do setor de saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueexplosõesterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.