Braço da Al-Qaeda no Iraque assume morte de oficial dos EUA

Funcionário de embaixada teria sido assassinado em resposta a prisões de muçulmanas

AP,

30 de agosto de 2007 | 09h13

Membros do braço da Al-Qaeda no Iraque afirmou, por meio de um web site utilizado pelo grupo extremista, que assassinou um funcionário da Embaixada americana em Bagdá, segundo informa a Associated Press nesta quinta-feira, 30. A embaixada nega o fato, criticando sua veracidade.   Em uma declaração publicada em um website, o Estado Islâmico do Iraque assume a responsabilidade pela morte de um "oficial" identificado como Zaher Abdel Mohsin Abdel-Saheb.   Segundo a nota, a morte, ocorrida no último sábado, é uma represália pelas "prisões de mulheres muçulmanas em cativeiros xiitas e de cruzados", em uma clara referência aos Estados Unidos e às forças de coalizão.   A declaração, escrita toda em árabe, é reconhecida pelo ministro de Informação do Estado Islâmico do Iraque.   A veracidade do documento não pode ser verificada e a Embaixada dos EUA diz que ainda está "checando".

Tudo o que sabemos sobre:
Al-QaedaEmbaixada americanaIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.