Brasil 'estendeu tapete vermelho ao regime do Irã', diz 'Post'

Jornal da capital dos EUA criticou postura brasileira e qualificou viagem de Ahmadinejad como patética

Efe,

27 Novembro 2009 | 15h48

O Brasil estendeu um "tapete vermelho" ao regime iraniano, segundo o jornal Washington Post, que critica o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um editorial publicado nesta sexta-feira, 27, por conta da visita do líder iraniano Mahmoud Ahmadinejad ao país.

 

Veja também:

linkONU aprova resolução condenando o Irã; Brasil se abstém 

linkIsenção do Brasil na censura ao Irã é coerente, diz historiador

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

"Na segunda-feira passada Lula literalmente deu um abraço de urso no presidente iraniano, com o qual constatou o maior avanço em seu esforço por escorar sua duvidosa situação nacional e internacional", diz o editorial.

 

Segundo o Post, a Administração do presidente americano, Barack Obama, da mesma forma que a de seu antecessor George W. Bush, veem o Brasil como uma "superpotência emergente cujo dinamismo econômico e democracia "relativamente estáveis" fazem do país um "aliado natural" dos EUA. No entanto, segundo o jornal, o potencial do Brasil "é sobrestimado frequentemente" e parece que "sempre será o país do futuro".

 

O jornal critica as "calorosas boas-vindas" do presidente a Ahmadinejad, em um momento em que "inclusive a Rússia discute publicamente novas sanções contra Teerã", enquanto "o Governo brasileiro assinou 13 acordos de cooperação com o regime" iraniano.

 

Além disso, lamenta que Lula "não tenha algo a dizer sobre a sangrenta repressão dos movimentos iranianos pró-democráticos ou a negação de Ahmadinejad sobre o Holocausto e o direito de existir de Israel". No entanto, Lula "declarou que o Irã tem o direito de ter seu programa nuclear". "Ahmadinejad, outra vez, apoiou o Brasil para conseguir um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU", uma velha aspiração do país, segundo o jornal.

 

Os defensores de Lula, segundo o "Washington Post", afirmam que o presidente convidou o líder iraniano porque "quer mediar no conflito do Oriente Médio". Mas se assim for, acrescenta, o líder brasileiro "simplesmente demonstraria sua ignorância na região".

 

"O apoio de Lula a Ahmadinejad não mudará o fanatismo (do líder iraniano), mas o tornará mais forte. O que assegurará que qualquer tentativa do Brasil de mediar no Oriente Médio será rejeitada por Israel e pelos principais países árabes".

 

O jornal qualifica de "patética" a viagem internacional de Ahmadinejad, que o levou a Gâmbia e Senegal, na África, além de Venezuela, Bolívia e Brasil. "A viagem de Ahmadinejad foi patética e serviu para ressaltar seu crescente isolamento, se não fosse pelas calorosas boas-vindas do Brasil", diz o jornal.

 

Segundo o Post, se o Brasil quer ter influência mundial tem que decidir entre "apoiar pares como Ahmadinejad ou tentar se posicionar no ocidente democrático (...) e assegurar-se de que continua sendo o país do futuro".

Mais conteúdo sobre:
Irã EUA Washington Post Brasil Ahmadinejad

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.