Brasil, Irã e Turquia apoiam saída diplomática para conflitos nucleares

Pacto de troca de urânio ficou em suspenso após aprovação de sanções contra Teerã na ONU

AE-DJ, Agência Estado

24 de julho de 2010 | 13h01

 

TEERÃ - Os ministros de Relações Exteriores do Brasil e Turquia disseram neste domingo, 25, que apoiam uma solução diplomática para os conflitos envolvendo o programa nuclear iraniano.

 

Veja também:

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

Ahmet Davutoglu, ministro turco, e o brasileiro Celso Amorim, fizeram a declaração pouco antes de se reunirem em Istambul com Manuchehr Mottaki, ministro iraniano, "para falar dos items relacionados com a Declaração de Teerã sobre a troca de urânio", disse o porta-voz da chancelaria iraniana, Ramin Mehmanparast, citado pela agência Irna.

 

No dia 17 de maio, os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Mahmoud Ahmadinejad, do Irã, além do primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, fecharam o acordo para que 1.200 kg de urânio iraniano levemente enriquecido fossem enviados ao território turco e, em troca, o país receberia 120 kg do produto enriquecido a 20% no prazo de um ano.

 

Logo após o anúncio do acordo, no entanto, foi aprovada uma quarta rodada de sanções ao Irã pelo Conselho de Segurança da ONU, pela recusa do país em deter certas partes de seu programa nuclear.

 

Para as potências ocidentais, o programa atômico iraniano tem como objetivo a construção de armas nucleares, o que Teerã nega insistentemente.

 

O chefe da Organização de Energia Atômica iraniana, Alí Akbar Salehi, declarou neste sábado que Teerã havia preparado uma resposta às perguntas do grupo de Viena sobre vários pontos da Declaração de Teerã.

 

Segundo ele, a resposta do Irã seria "uma resposta geral, mas a resposta técnica às suas perguntas será dada provavelmente durante uma reunião com o grupo de Viena", cuja data e local não foram precisados.

 

Uma diplomata turca que pediu anonimato confirmou a reunião deste domingo entre os chanceleres do Irã, Brasil e Turquia, que almoçarão juntos.

 

"Serão tratados os temas nucleares. Seu objetivo é mostrar que as iniciativas diplomáticas continuam" para encontrar uma solução para o impasse do programa nuclear iraniano. 

 

Ainda não se sabe se haverá uma coletiva de imprensa após a reunião, de acordo com a fonte.

 

Notícia atuaizada às 9h50 deste domingo, 25.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.