Bush alerta Síria contra interferências no Líbano

O presidente dos Estados Unidos,George W. Bush, condenou na quinta-feira o assassinato de umgeneral libanês e alertou a Síria a não interferir no Líbano. O general François Al Hajj, que era muito cotado para ser onovo comandante do Exército, foi morto por um carro-bomba naquarta-feira. O atual comandante, general Michel Suleiman, deveser eleito presidente da República na eleição programada para asemana que vem. Hajj foi a nona vítima de assassinatos políticos desde amorte do ex-premiê Rafik Al Hariri, em fevereiro de 2005. Hajjfoi o primeiro militar morto nessa onda de crimes, mas aexemplo dos demais era contra a presença da Síria no Líbano. "Como muitas vítimas antes deles, o general Al Hajj era umapoiador da independência do Líbano e um adversário dainterferência da Síria nos assuntos internos do Líbano", disseBush. "Peço à comunidade internacional que apóie o governo doLíbano em seus esforços para trazer os autores desses viciososataques à Justiça", disse ele em nota, na qual reiterou apoioao atual governo. A Síria nega qualquer envolvimento nos crimes ocorridos noLíbano, que estão sob investigação da ONU. Bush salientou a importância de garantir verbas para umtribunal especial criado neste ano pelo Conselho de Segurançada ONU, que segundo ele precisa começar a funcionar "o maisrapidamente possível". (Por Tabassum Zakaria)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.