Bush anuncia na Arábia venda de armas de US$ 20 bilhões

Pacote também prevê a venda de armas aos Emirados Árabes e ao Kuwait e inclui bombas guiadas com precisão

Associated Press e Agência Estado,

14 de janeiro de 2008 | 20h44

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em sua primeira vista à Arábia Saudita, anunciou nesta segunda-feira, 14, um acordo bilionário de venda de armas ao reino, que é um aliado crucial dos EUA no Oriente Médio. O pacote de US$ 20 bilhões também inclui a venda de armas aos Emirados Árabes Unidos e ao Kuwait. Segundo os EUA, o Irã é uma ameaça à estabilidade de toda a região. As conversações de Bush com o rei da Arábia Saudita, Abdullah, começaram no jantar desta segunda e se prolongam pela noite. Ambos também deverão abordar na conversa o processo de paz entre Israel e os palestinos e a democracia na região. Coincidindo com a visita do presidente dos EUA, a administração Bush notificou o Congresso nesta segunda que oferecerá à Arábia Saudita a chance de comprar equipamento militar sofisticado e de alta tecnologia - as chamadas "bombas inteligentes."  A informação partiu do Departamento de Estado. A administração americana planeja vender aos sauditas 900 kits de bombas guiadas com precisão, avaliadas em US$ 123 milhões. Isso dará às forças armadas sauditas um alto grau de precisão em ataques.  A venda das "bombas inteligentes" é apenas uma pequena parte do pacote de venda de armas à Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Kuwait, avaliado em US$ 20 bilhões, afirmam funcionários americanos. O pacote de vendas de armas é uma parte importante na estratégia americana para aumentar as defesas das nações produtoras de petróleo do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, das ameaças da República Islâmica do Irã. A Arábia Saudita e os países do Golfo, cuja maioria da população é islâmica sunita, nutrem uma profunda desconfiança do Irã, cuja maioria da população é islâmica xiita e persa, não fala árabe. Muitos governantes árabes acreditam que o Irã tenta virar uma potência regional. Israel tem dito que não se opõe ao pacote de venda de armas à Arábia. A maioria do Congresso deverá aprovar o pacote. Bush teve um acolhida calorosa da parte do rei Abdullah. Ele passará a noite de hoje no rancho do monarca - uma rara distinção que reflete a hospitalidade de Bush quando Abdullah visitou os EUA. Em duas ocasiões, o monarca foi hóspede de Bush no rancho do presidente americano, em Crawford, Texas. A hospitalidade contrasta com a profunda impopularidade de Bush entre o povo saudita. Uma pesquisa recente conduzida na Arábia Saudita pelo Terror Free Tomorrow - um instituto americano bipartidário, cujo objetivo é minar o apoio ao terrorismo no mundo inteiro - descobriu que apenas 12% dos sauditas têm uma visão positiva de Bush. A imagem de Bush é pior para os sauditas que a do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ou que a do líder terrorista da Al-Qaeda, Osama bin Laden. Muitos sauditas têm uma imagem mais positiva do Irã que dos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Arábia SauditaarmasEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.