Bush chega a Israel e vê 'nova oportunidade para a paz'

Presidente israelense diz que americano chegou para acabar com a "loucura" do Irã, Hezbollah e Hamas

Agências internacionais,

09 de janeiro de 2008 | 10h28

O presidente norte-americano, George W. Bush, chegou nesta quarta-feira, 9, uma visita ao Oriente Médio destinada a incentivar esforços de paz entre israelenses e palestinos e a conquistar apoio árabe para conter as ambições do Irã. Ao chegar, Bush afirmou que vê uma "nova oportunidade para a paz" entre Israel e o povo palestino.  Durante a cerimônia de boas-vindas no aeroporto de Tel Aviv, o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert afirmou que as relações entre os dois países são "inabaláveis". O presidente Shimon Peres declarou que Bush está na região para ajudar a "interromper a loucura" do Irã, do Hezbollah e do Hamas. Em uma ameaça ao Irã, Peres aproveitou o discurso e afirmou que Teerã não deve subestimar a determinação de Israel em defender-se. "Buscamos uma paz duradoura. Vemos uma oportunidade para a paz aqui e na Terra Santa e para a liberdade na região", disse Bush. "Discutiremos nosso profundo desejo de segurança e liberdade e a paz no Oriente Médio." Bush realiza sua primeira visita presidencial a Israel e à Cisjordânia, em uma tentativa de apressar as frágeis negociações entre os dois lados e selar um acordo até o final do ano. Durante os dias que passará em Israel, Bush deve tentar consolidar os compromissos alcançados na conferência de paz de novembro, em Annapolis, a 50 quilômetros de Washington. Na reunião, israelenses e palestinos anunciaram a criação de uma comissão de coordenação das negociações de paz, liderada pelos dois lados e supervisionada pelos EUA. Mais tarde, Bush se reúne com as duas autoridades israelenses. Na quinta-feira, ele vai a Ramallah, na Cisjordânia ocupada, para um encontro com o presidente palestino, Mahmoud Abbas. O presidente também passará por Kuweit, Barein, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Egito. Segundo a BBC, mais de 8 mil policiais (cerca de um terço dos efetivos da polícia) estarão mobilizados durante as 48 horas da visita do presidente americano. Além disso, as principais estradas de Israel serão fechadas durante a passagem da comitiva americana e o centro de Jerusalem ficará praticamente paralisado nos dias da visita oficial.  Negociações de paz Os temas principais da visita de Bush deverão ser as negociações de paz entre israelenses e palestinos, que estão estagnadas desde a Conferência de Annapolis. Além disso, Bush deve discutir ainda o projeto nuclear iraniano.  O relatório dos serviços de inteligência americano, segundo o qual o Irã teria interrompido o projeto nuclear para fins militares, despertou preocupação em Israel. Bush deve utilizar a visita para reiterar o compromisso do governo americano com a segurança de Israel.  Quanto ao processo de paz entre israelenses e palestinos, existe um clima geral de ceticismo sobre as chances de algum avanço durante a visita oficial. O apresentador da rádio estatal de Israel, Yaron Dekel, resumiu esse clima afirmando que Bush já é considerado um "pato manco"."Provavelmente o que será lembrado depois da visita não serão avanços no processo de paz, mas sim os enormes engarrafamentos de trânsito", disse Dekel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.