Bush congela bens de acusados de desestabilizar o Líbano

Medidas afetarão qualquer um que incentivar violência contra governo ou apoiar "interferência síria"

REUTERS

02 de agosto de 2007 | 14h54

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, determinou na quinta-feira o congelamento dos bens norte-americanos das pessoas acusadas por Washington de tentar minar o governo libanês.Bush não identificou as pessoas afetadas pelo decreto, mas em junho ele proibiu autoridades sírias e políticos libaneses de entrar nos EUA, alegando o mesmo motivo - fomentar a instabilidade no Líbano.O presidente disse numa carta ao Congresso dos EUA que as medidas afetarão qualquer pessoa que estiver incentivando a violência contra o governo eleito do premiê libanês Fouad Siniora, ou contribuindo para o que ele chamou de "interferência síria" no país.Bush vem tentando isolar a Síria diplomaticamente. Ele acusa o governo sírio de patrocinar o terrorismo, de não impedir a entrada de combatentes no Iraque e de não combater os militantes do Hamas e do Hezbollah.A Síria, que retirou suas forças do Líbano em 2005, depois de 29 anos presente militarmente no país, nega as acusações."O presidente assinou essa ordem executiva porque a soberania e as instituições democráticas do Líbano estão cada vez mais sob ataque", disse Gordon Johndroe, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.