Bush insiste que Irã desestabiliza o Iraque

'Quando apanharmos vocês desempenhando um papel não-construtivo, haverá um preço a pagar', ameaçou

REUTERS

09 de agosto de 2007 | 17h38

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, insistiu nesta quinta-feira, 9, que o Irã é uma força desestabilizadora no Iraque, apesar de Teerã declarar ao primeiro-ministro iraquiano, Nuri Al Maliki, que está ajudando na segurança do país.Qualificando o Irã como "uma nação muito perturbadora" a ser isolada, Bush alertou, durante entrevista coletiva na Casa Branca nesta quinta-feira: "Quando apanharmos vocês (Irã) desempenhando um papel não-construtivo (no Iraque), haverá um preço a pagar."Enquanto isso, em Teerã, Maliki concluía sua visita ao Irã recebendo promessas de ajuda do vizinho xiita. O governo iraquiano está sendo criticado internamente e pelos EUA pela falta de progressos na reconciliação entre sunitas e xiitas.Minimizando os sinais de aproximação entre Bagdá e Teerã, Bush, também acossado pela opinião pública devido à impopular guerra do Iraque, manifestou confiança de que Maliki vê a República Islâmica como uma ameaça."Se o sinal (de Maliki) for de que o Irã é construtivo, terei de ter uma conversa franca com meu amigo, o primeiro-ministro. Porque não acredito que seja construtivo", disse Bush. "Não acho que ele, no fundo do seu coração, ache que seja construtivo tampouco."Foi a segunda vez nesta semana que Bush teve de defender sua linha-dura contra o Irã diante de possíveis diferenças com um aliado importante.Na segunda-feira, ele recebeu o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, na residência oficial de Camp David, e o aconselhou a ter mais cuidado com o Irã -- Karzai havia minimizado as acusações norte-americanas de que o Teerã estaria dando armas ao Taliban.O Irã, que a exemplo do Iraque tem os xiitas como maioria da população, é um importante agente político no Iraque desde a invasão norte-americana de 2003, que derrubou o sunita Saddam Hussein.Teerã nega as acusações de Washington de que estaria dando armas a milícias xiitas no Iraque. Os iranianos atribuem a violência no Iraque à própria ocupação norte-americana. Bagdá pede que os dois países deixem suas velhas diferenças de lado e negociem.O vice-presidente iraniano, Parviz Davoudi, disse a Maliki que seu país "sempre fez um esforço especial para ajudar a gerar e fortalecer a segurança no Iraque", segundo a agência de notícias Irna.Mas Bush rejeitou a idéia de que o Irã estaria tendo um papel positivo no Iraque, onde a violência entre xiitas e sunitas às vezes parece se encaminhar para uma guerra civil.(Reportagem adicional de Jeremy Pelofsky)

Tudo o que sabemos sobre:
IrãIraqueGeorge W. Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.