Bush pressiona governo do Egito por mais liberdade política

Presidente elogiou o trabalho de jornalistas, blogueiros e juízes que buscam independência

ALAA SHAHINE, REUTERS

16 de janeiro de 2008 | 13h10

O presidentenorte-americano, George W. Bush, pediu na quarta-feira aogoverno do Egito que conceda maior liberdade política no país eelogiou o trabalho de jornalistas, blogueiros e juízes quebuscam independência. Na última escala de sua longa viagem pelo Oriente Médio,Bush disse que tais vozes da sociedade civil tomaram adianteira na defesa da liberdade. "Os avanços rumo a uma maior abertura política estão sendoliderados pelos próprios egípcios, por jornalistas pioneiros,blogueiros e juízes que batem na tecla da independência",afirmou em declaração feita durante um evento do qualparticipou ao lado do presidente do Egito, Hosni Mubarak. "Vocês (egípcios) deram passos rumo a uma reformademocrática, e a minha esperança é de que o governo egípcioaproveite-se desses passos importantes e conceda ao povo destanação mais voz no futuro", acrescentou. Os comentários de Bush lembram a ativa campanha realizadapelo governo dele em 2005 para promover reformas políticas noEgito, país comandado por Mubarak há 26 anos e no qual o filhodele, Gamal, é apontado como provável sucessor. A campanha daquela época ajudou a convencer Mubarak arealizar a primeira eleição presidencial com vários candidatos-- o pleito foi vencido por ele. O maior adversário na disputa,Ayman Nour, acabou sendo preso devido a acusações de fraudeque, segundo o candidato, foram inventadas. Nas eleições parlamentares realizadas no mesmo ano, aIrmandade Muçulmana, um partido da oposição, conquistou umquinto das cadeiras. Analistas afirmaram que, depois do bomdesempenho dos candidatos islâmicos no pleito, o governonorte-americano parou de pressionar Mubarak a adotar reformasdemocratizantes.

Tudo o que sabemos sobre:
Oriente MédioBushEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.