Bush reconhece 'dificuldades e progressos' no Afeganistão

Presidente americano diz que país nunca voltará a ser abrigo para terroristas, mas admite que violência cresce

Efe,

01 de outubro de 2008 | 19h25

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, reconheceu nesta quarta-feira, 1, as dificuldades enfrentadas pelas forças da coalizão no Afeganistão, mas também destacou que há progressos. O chefe de Estado americano fez estas declarações após se reunir com o máximo chefe das tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o general David McKiernan. Antes da reunião, o general expressou em um encontro com a imprensa no Pentágono a necessidade de enviar o mais rápido possível mais tropas ao país. Bush admitiu que a luta no Afeganistão é dura e a violência vai crescendo. No entanto, destacou que o Afeganistão está vivendo as duas situações: progressos e dificuldades. Entre os progressos, citou a melhora em saúde, educação e transporte, e assegurou que o Afeganistão nunca voltará a ser abrigo para os terroristas. McKiernan, que assumiu o comando das tropas da Otan no Afeganistão em junho, afirmou que não se trata apenas de uma questão de tropas, mas de mais ajuda econômica e maior apoio político. "O general me informou da situação no Afeganistão e do que vai precisar para assegurar que continuemos contribuindo ao êxito desta democracia", disse Bush. O presidente afirmou que, junto com o componente militar, a ajuda aos civis é um tema principal para os EUA, que continuarão desenvolvendo programas para a boa governança centrados na população afegã e em planos de infra-estruturas. "Há progressos quando se considera que milhões de meninas vão à escola que nunca antes tinham tido a oportunidade de ir ao colégio no Afeganistão. Isso é um progresso incrível", afirmou Bush. "Há progressos quando as pessoas têm acesso à saúde pela primeira vez. Há progresso quando as estradas são reparadas e os granjeiros podem ir vender seus produtos no mercado", por isso os terroristas não têm lugar no Afeganistão, destacou.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.