Bush vê avanços no Iraque e diz ser possível reduzir tropas

Líder americano afirma que não se apegará a "calendários falsos" para estimar se é momento de diminuir

Reuters e Efe,

05 de setembro de 2007 | 02h41

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quarta-feira, 5, que vê sinais de avanços políticos e militares no Iraque. Bush novamente se referiu a possibilidade de diminuir o número de soldados americanos no país.   Veja também:  Chefe militar no Iraque sugere redução de tropas em março   O presidente americano colocou que não tem uma decisão definida sobre o nível das tropas e acrescentou que não se apegará a "calendários falsos" para estimar se é ou não o momento de reduzir as tropas.   "Não estou interessado em calendários artificiais ou datas para a retirada. Estou interessado em alcançar um objetivo", disse Bush em uma entrevista para a imprensa em Sydney, junto ao primeiro-ministro australiano, John Howard, antes da reunião do fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico (APEC).   Bush chegou na noite de terça-feira a Sydney, depois de uma visita surpresa ao Iraque, uma semana antes do embaixador americano em Bagdá, Ryan Crocker, e do general David Petraeus entregarem um relatório para o Congresso americano sobre os avanços no país.   O presidente americano disse ainda que as recomendações de Petraeus e Crocker serão chaves para ajudar a formular uma estratégia.   Bush viu ganhos na redução dos níveis de violência e na reconciliação das facções que se enfrentam no Iraque. A visão do presidente é muito mais otimista que a de um relatório do Congresso dos EUA, que afirmou na terça-feira que a violência segue em níveis altos e que poucos avanços políticos aconteceram.   Além disso, o presidente americano disse estar convencido de que os EUA podem ganhar a guerra no Iraque. "Se não achasse que podíamos ganhar, não manteria as tropas", destacou.   Tropas australianas   O primeiro-ministro da Austrália, John Howard, disse na mesma entrevista coletiva que seu país não retirará as suas tropas do Iraque.   "Nosso compromisso com o Iraque continua", disse Howard. "Este não é o momento para nenhuma proposta de redução das tropas australianas", opinou. A Austrália tem mais de 1.500 soldados no Iraque e cerca de 970 no Afeganistão.   O encontro entre Bush e Howard serviu para os dois confirmarem o bom momento que atravessam as relações bilaterais.   "O presidente americano é sempre bem-vindo ao nosso país", disse Howard no começo da entrevista coletiva. Em seguida, afirmou que a Austrália não tem "um aliado mais próximo que os EUA".   Bush disse admirar a "visão" e a "coragem" de Howard, um líder "de princípios", que costuma chamar de "o homem de aço".    

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueredução de tropasBush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.