Candidato à eleição é assassinado no Afeganistão

Homens armados mataram um candidato às eleições parlamentares do Afeganistão no oeste do país no sábado, segundo informações de um funcionário do governo. Esse é o quarto candidato assassinado antes da eleição de 18 de setembro.

YOUSUF AZIMI, REUTERS

28 de agosto de 2010 | 18h58

A eleição está sendo usada como um teste da estabilidade do Afeganistão, cujo índice de violência é o pior desde que os talibans foram expulsos em 2001, antes que o presidente dos EUA, Barack Obama, revise a sua estratégia para o Afeganistão, em dezembro.

O candidato Haji Abduk Mana foi morto quando andava da sua casa a uma mesquita, para as preces da noite, disse Lal Mohammad Omarzai, governador do distrito de Shindand, na província de Herat, que costuma ser um lugar tranquilo perto da fronteira com o Irã.

Omarzai disse que dois pistoleiros em uma motocicleta chegaram perto de Manan e atiraram.

Na quinta-feira, 10 pessoas que trabalham na campanha da candidata Fawzia Gilani desapareceram em Herat. As autoridades disseram que não sabem se elas foram sequestradas por adversários políticos ou pelos talibans.

A ONU, que ajudou a supervisionar a eleição presidencial marcada por denúncias de fraude no ano passado, disse há duas semanas que três candidatos haviam sido assassinados e que haviam observado uma intimidação generalizada aos candidatos do sexo feminino, além de outras formas de intimidação, durante a votação.

As autoridades disseram que mais de 900 dos 6.835 postos de votação ficarão fechados por causa da falta de segurança.

Das 249 cadeiras do parlamento, 65 são reservadas para as mulheres e existem 385 candidatas.

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOMORTECANDIDATO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.