Candidatos apresentam posturas díspares sobre Iraque nos EUA

Os candidatos a presidente dos EUAJohn McCain, Hillary Clinton e Barack Obama apresentaram naterça-feira, durante uma audiência no Senado, posiçõesconflitantes a respeito da guerra do Iraque, um tema que podedefinir a eleição de novembro. Em teleconferência com o general David Petraeus, comandantedos EUA no Iraque, o republicano John McCain disse que asforças de combate devem permanecer no país. Já os democratasHillary e Obama defenderam a retirada. Os três candidatos repetiram posições já conhecidas, mas oevento mereceu atenção especial por reuni-los no mesmo local, oplenário do Senado, longe dos palanques. Obama, que sempre enfatiza ter sido contra a guerra desde oinício e promete começar a desocupação assim que tomar posse,cobrou um organograma de retirada para pressionar os líderesiraquianos a estabilizarem seu país. "Ninguém está pedindo uma retirada precipitada, mas achoque tem de ser uma pressão comedida, mas aumentada", disseObama. Já Hillary, criticada por seu rival interno por ter votadoa favor da guerra no Senado, prometeu iniciar a desocupação nosdois primeiros meses de mandato. "Acho que é hora de iniciar um processo ordenado deretirada das nossas tropas, de começar a reconstruir nossasforças militares e de focar nos desafios representados peloAfeganistão, pelos grupos terroristas globais e por outrosproblemas dos norte-americanos", disse ela na audiência daComissão de Serviços Armados do Senado. McCain, já virtualmente garantido como candidatorepublicano, alertou que, depois de uma eventual retirada, astropas norte-americanas precisariam voltar para uma guerra maisampla. "Não estamos mais fitando o abismo da derrota, e agorapodemos olhar para frente, para a perspectiva genuína desucesso", disse ele na mesma comissão. A guerra do Iraque passou ao segundo plano durante acampanha, ofuscada pelos problemas econômicos, e o depoimentode Petraeus lhe devolve nesta semana ao lugar privilegiado queo tema deve ocupar na eleição geral de novembro. (Reportagem adicional de Andy Sullivan e David Storey)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.