Reprodução
Reprodução

Carla Bruni pede que Irã absolva mulher condenada a apedrejamento

Segundo primeira-dama francesa, seu país defenderá causa de Sakineh 'sem descanso'

Efe,

23 de agosto de 2010 | 18h47

PARIS- A primeira-dama francesa, Carla Bruni, pedirá amanhã às autoridades iranianas que absolvam Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento, por meio de uma carta que será publicada pelo jornal Libération, a revista Elle, entre outros veículos.

 

Veja também:

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

 

Por enquanto, já é possível ler pela internet alguns fragmentos da carta, em sites como os do jornal Le Figaro ou da TV TF1.

 

"Impossível ficar calada após conhecer a sentença pronunciada contra a senhora", afirma a cantora, ex-modelo e atriz.

 

"Transbordar seu sangue, privar seus filhos de uma mãe, mas por quê? Porque a senhora viveu, porque amou, porque é uma mulher, uma iraniana? Tudo em mim se nega a aceitar", diz a primeira-dama na carta.

 

'França não te abandonará', diz Carla Bruni a Sakineh em sua carta

 

"Do fundo de sua cela, saiba que meu marido defenderá sua causa sem descanso e que a França não te abandonará", acrescenta a esposa de Nicolas Sarkozy, que já anunciou seu apoio a Sakineh, da mesma forma que cerca de dois mil políticos e personalidades francesas.

 

A carta de Carla Bruni será publicada junto a outros pedidos de indulto escritos pela candidata socialista à presidência, Ségolène Royal, e o ex-presidente Valéry Giscart d'Estaing.

 

Suas mensagens também poderão ser lidas no site americano Huffington Post e na revista pela web do filósofo Bernard-Henri Lévy, outro defensor da iraniana condenada à morte por adultério, acusada posteriormente do assassinato de seu marido.

 

Na sexta-feira passada, o ministro de Exteriores francês, Bernard Kouchner, assegurou que a França "não poupará esforços para salvar" Sakineh Mohammadi Ashitiani.

 

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações ilícitas com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Primeiramente a pena foi de 99 chibatadas, depois convertida em morte por apedrejamento e, posteriormente, alterada para enforcamento.

 

Em julho deste ano, seu advogado Mohammad Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

 

O governo brasileiro ofereceu refúgio a Sakineh, o que foi rejeitado por Teerã. A pena de morte foi mantida por um tribunal de apelações, que acrescentou ao caso a acusação de conspiração para a morte do marido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.