Carro-bomba mata 30 pessoas no norte de Bagdá

Um carro-bomba matou 30 pessoas e feriuoutras 47 fora de uma estação policial em uma cidadepredominantemente xiita ao norte de Bagdá na sexta-feira,informou a polícia iraquiana. O incidente em Dujail, na província de Salahuddin, foi umdos maiores no Iraque em meses e mostra que os militantes aindasão capazes de promover ataques de grande escala, apesar dasimportantes melhoras na segurança do país. O major Ahmed Subhi, diretor de uma unidade anti-terrorismona província, disse à Reuters que 30 pessoas morreram e que 47ficaram feridos. Autoridades disseram que o ataque foi feito por umhomem-bomba, embora testemunhas tenham dito que o carro estavaestacionado no momento da explosão. A polícia disse que o ataque ocorreu pouco antes doanoitecer, quando muitas pessoas estavam nas ruas antes dequebrarem o jejum diário durante o Ramadã, o mês sagrado paraos muçulmanos. Segundo a polícia, os mortos feridos eram civis, quecompravam em um mercado próximo, e policiais. Dujail fica a 50 quilômetros ao norte de Bagdá. O ataque indicava que sua autoria poderia ser daorganização sunita islâmica Al Qaeda. Uma série de ofensivas militares das forças iraquianas enorte-americanas enfraqueceu significativamente o grupomilitante e forçou seus guerreiros a irem para províncias donorte, como Salahuddin. A violência no Iraque caiu para níveis não vistos desde oinício de 2004. Os ganhos de segurança permitiram o início daretirada das tropas norte-americanas do Iraque. Dujail foi o local de uma tentativa de assassinato doex-líder iraquiano Saddam Hussein em 1982. Saddam, preso durante a invasão norte-americana em 2003,foi enforcado em dezembro de 2006, depois de ter sido condenadopela morte de dezenas de xiitas em Dujail após a tentativa deassassinato. (Reportagem adicional de Waleed Ibrahim e Ahmed Rasheed)

REUTERS

12 de setembro de 2008 | 17h00

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEATAQUECARRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.