Carro-bomba mata pelo menos 16 pessoas em Bagdá

Três soldados americanos morrem em troca de tiros; 13 corpos são encontrados em cova rasa em região sunita

Agência Estado e Associated Press,

04 de junho de 2008 | 11h43

Um carro-bomba explodiu nesta quarta-feira, 4, perto da residência de um alto funcionário do Ministério do Interior do Iraque no zona nordeste de Bagdá e provocou a morte de 16 pessoas, inclusive de uma criança. Mais de 50 pessoas ficaram feridas, informou a polícia local. Trata-se do ataque com carro-bomba com maior número de mortos em Bagdá desde meados de abril.   Três soldados americanos foram mortos no norte do Iraque, em outro incidente. Além disso, foram encontrados pelo menos 23 corpos de iraquianos em uma vala comum e na entrada de uma tubulação de esgoto perto da capital iraquiana.   Um ano atrás, os atentados com carros-bomba eram parte da violência "normal" em Bagdá. Atualmente eles ocorrem com menor freqüência, após o aumento das tropas dos Estados Unidos na região. O último ataque do tipo na capital havia ocorrido na segunda-feira, mas uma bomba não matava cinco ou mais pessoas em Bagdá havia mais de um mês.   Os americanos foram mortos quando homens armados dispararam contra eles na vila de Hawija, no norte do país, informou um comunicado dos militares. A área, antes um bastião de militantes sunitas e aliados do ex-líder Saddam Hussein, passava por uma fase mais calma nos últimos meses. No ano passado, o local foi palco de uma cerimônia em que líderes tribais se aliaram às forças americanas para combater a Al-Qaeda no Iraque.   Com as últimas mortes, sobe para 4.090 o número de militares dos Estados Unidos mortos no Iraque desde a invasão no país, em março de 2003, de acordo com uma contagem da Associated Press.   Ao sul de Bagdá, moradores iraquianos e soldados descobriram pelo menos 13 corpos em uma cova rasa em uma área rural nas proximidades de Latifiyah, uma cidade de maioria sunita, mas também com presença xiita. Os corpos foram descobertos na terça-feira, mas o resgate continuava nesta quarta.   Latifiyah, 30 quilômetros ao sul de Bagdá, foi tomada por militantes ligados à Al-Qaeda alguns anos atrás, quando tornou-se área de atividades militantes sunitas. No ano passado, tropas americanas e locais retomaram controle da cidade. Os cadáveres aparentemente estavam escondidos havia algum tempo, talvez anos.

Mais conteúdo sobre:
Iraqueatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.