Carta revela que Israel aceitou se retirar de Golan há 10 anos

Em negociações com a Síria, Netanyahu teria concordado em retirada em troca de uma estação de controle

Efe,

10 Setembro 2009 | 11h08

Um documento publicado pela imprensa israelense nesta quinta-feira, 10, revela que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, consentiu na retirada completa das Colinas de Golan em negociações com a Síria há dez anos.

 

Veja também: 

lista Entenda a disputa sobre as Colinas de Golan

 

Segundo o jornal Yedioth Ahronoth, a carta, redigida para o então presidente dos Estados Unidos Bill Clinton pelo enviado de Netanyahu às negociações, o empresário judeu-americano Ronald Lauder, afirma que Israel estava disposto a retirar-se "até as fronteiras de 1967", ano no qual ocupou a região durante a Guerra dos Seis Dias.

 

Antes de chegar à liderança do governo israelense em março, Netanyahu foi primeiro-ministro entre 1996 e 1999, e manteve negociações de paz diretas com a Síria através de Lauder. A existência do acordo, alcançado em negociações entre as partes em 1998, foi divulgada por diferentes meios de comunicação durante os anos, mas Netanyahu sempre negou sua existência e que houvesse uma carta sobre o assunto.

 

"Israel se retirará do território sírio conquistado em 1967 de acordo com as resoluções do Conselho de Segurança 242 e 338. A retirada será efetuada até uma fronteira estipulada que se baseie na linha de 1967", diz o texto. Trata-se de uma carta que Lauder enviou a Clinton um ano após as negociações terem terminado em fracasso, com o objetivo de deixar escrito os termos que tinham sido acordados.

 

A única reivindicação territorial de Israel consistia na instalação de uma estação de controle ocupada por tropas franco-americanas, para verificar o desarmamento da fronteira no lado sírio.

 

Apesar da publicação da carta, o escritório do Netanyahu assegurou, em seu nome, que "nunca deu seu consentimento a uma retirada até as fronteiras de 1967, nem diretamente, nem através de enviados". A resposta de Netanyahu ao jornal convida a Síria a "retomar as negociações incondicionais prévias".

Mais conteúdo sobre:
GolanSíriaIsraelNetanyahu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.