Carter diz que Rice 'não está dizendo a verdade' sobre Hamas

O ex-presidente norte-americano JimmyCarter acusou na quarta-feira a secretária de EstadoCondoleezza Rice de mentir a respeito de alertas que odepartamento lhe teria feito para que não se reunisse com ogrupo islâmico Hamas. Carter encontrou-se com dirigentes do Hamas durante viagemna semana passada ao Oriente Médio. Na terça-feira, Rice disseno Kuweit: "Aconselhamos o presidente Carter contra ir à regiãoe particularmente contra ter contatos com o Hamas". A resposta veio na quarta-feira, numa nota divulgada peloCentro Carter, de Atlanta: "O presidente Carter tem o maiorrespeito por Rice e acredita que ela seja uma pessoa honesta.Entretanto, talvez inadvertidamente, ela está continuando afazer uma declaração que não é verdadeira". "Ninguém no Departamento de Estado ou qualquer outrodepartamento do governo dos EUA jamais lhe pediu [a Carter] queevitasse a sua recente visita ao Oriente Médio ou mesmo sugeriuque ele não se encontrasse com o presidente sírio [Bashar Al]Assad ou com líderes do Hamas", acrescenta a nota. O texto diz ainda que Carter tentou telefonar para Riceantes da viagem, mas falou com um adjunto, pois a secretáriaestava na Europa. "Eles tiveram uma discussão muito agradável por cerca de 15minutos, durante os quais [esse funcionário] nunca fez qualquerdos comentários negativos ou de alerta descritos acima. Ele[Carter] nunca falou com ninguém mais", disse a nota. Em entrevista à rádio pública dos EUA na segunda-feira,Carter já havia dito ser "absolutamente falsa" a notícia de queele fora orientado pelo governo a não falar com o Hamas. Na terça-feira, Rice disse também que "os Estados Unidosnão vão tratar com o Hamas e certamente dissemos ao presidenteCarter que não achamos que se reunir com o Hamas vá ajudar ospalestinos". A Casa Branca manifestou apoio à secretária, e a porta-vozDana Perino afirmou que Carter "é um cidadão privado e decidiunão cumprir aquilo que o Departamento de Estado lhe pediu". Os EUA qualificam o Hamas, que governa a Faixa de Gaza,como um grupo terrorista. Carter, que no fim de semana se reuniu na Síria com odirigente exilado Khaled Meshaal, tenta atrair o Hamas para oatual processo de paz que envolve Israel e a AutoridadePalestina, sob comando do presidente Mahmoud Abbas, da facçãolaica Fatah. Rice e outras autoridades dos EUA temem que a iniciativa deCarter provoque confusão no processo de paz, que já transcorrecom muita lentidão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.