Humayoun Shiab/Efe
Humayoun Shiab/Efe

Casa Branca ameaça cancelar encontro de Obama com Karzai

Presidente afegão reiterou denúncias de que Ocidente teria interferido nas eleições presidenciais em seu país

06 de abril de 2010 | 18h23

Associated Press

 

WASHINGTON- A Casa Branca afirmou nesta terça-feira, 6, que poderia cancelar uma visita já agendada do presidente afegão Hamid Karzai caso ele continue a fazer declarações críticas ao Ocidente.

 

Veja também:

linkAumenta tom de críticas entre presidente afegão e Casa Branca

linkConfronto mata 27 membros do Taleban no oeste afegão

 

"Nós certamente avaliaríamos qualquer comentário a mais que Karzai fizer, assim como se seria construtivo fazermos essa reunião, com certeza", disse o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, em sua coletiva de imprensa diária. Gibbs se referia a acusações recentes feitas pelo presidente afegão de que a ONU e a comunidade internacional interferiram nas eleições presidenciais do ano passado em seu país.

 

Oficiais da Casa Branca, no entanto, afirmaram que o cancelamento da visita não estava iminente e afirmaram que o encontro pode ocorrer, como marcado.

 

Mas somente o fato de o porta-voz presidencial ter admitido a possibilidade do cancelamento em uma coletiva de imprensa, algo raro, mostraram a dimensão da frustração de Washington em relação a Karzai, que tem uma reunião marcada com o presidente Barack Obama em 12 de maio.

 

Obama fez o convite a Karzai durante sua visita a Cabul no mês passado, após ter declarado ao governante afegão e a seu gabinete que estava satisfeito com o progresso de medidas anticorrupção e com a luta contra os insurgentes, mas ressaltou que mais ações precisavam ser tomadas nestas áreas.

 

Desde então, Karzai ficou mais desafiador, e denunciou a interferência ocidental no pleito presidencial do país. Gibbs reiterou nesta terça a posição da Casa Branca sobre as acusações, que foram pessoalmente discutidas entre Karzai e a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, por telefone na sexta.

 

"Eu não sei porque alguém continua a insinuar que houve algum tipo de corrupção estrangeira lá se o que ele denuncia foi verificado dentro do país. Então, eu não posso afirmar que razões ele tinha para fazer esses comentários", disse Gibbs.

 

As denúncias sobre as eleições não foram tudo. Em um encontro privado com legisladores, Karzai ameaçou se juntar aos Taleban se os Estados Unidos continuassem a pressioná-lo publicamente para acabar com o nepotismo, a corrupção e a fraude eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.