Casa Branca diz que retirada de tropas do Iraque é 'conquista notável'

Número de soldados americanos no país é o menor desde a invasão dos EUA, segundo Exército

Efe,

24 de agosto de 2010 | 20h01

Soldado americano se prepara para cruzar a fronteira do país com o Kuwait

 

WASHINGTON- A Casa Branca qualificou nesta terça-feira, 24, a retirada das tropas americanas do Iraque como "uma conquista realmente notável", depois que o número de soldados dos Estados Unidos ficou pela primeira vez abaixo de 50 mil desde a invasão, em 2003.

 

Veja também:

linkNúmero de soldados americanos no Iraque é o menor desde a invasão

especialEspecial: Guerra do Iraque: do início ao início do fim

 

O principal assessor da Casa Branca na luta contra o terrorismo, John Brennan, disse em Martha's Vineyard (Massachusetts), onde o presidente Barack Obama e sua família passam férias, que o governo americano retirou 94 mil soldados do Iraque desde janeiro de 2009.

 

A redução para menos de 50 mil soldados ocorreu antes da data limite de 31 de agosto anunciada por Obama no discurso que pronunciou em fevereiro de 2009 na base militar de Fort Lejeune, na Carolina do Norte.

 

Na próxima terça-feira, os EUA irão encerrar a "Operação Liberdade Iraquiana", que começou com a invasão do país há mais de sete anos, e darão início à missão de transição "Novo Amanhecer", que prepara a retirada completa das tropas, prevista para o final de 2011.

 

Por causa da mudança do papel de combate para o "de assistência e assessoria" das tropas iraquianas, Obama pronunciará no próximo dia 31 um discurso, anunciou hoje o porta-voz da Casa Branca, Bill Burton.

 

Nesse discurso, Obama destacará a coragem dos soldados que lutaram nessa guerra, detalhará a estratégia de seu governo no Iraque a partir de 1º de setembro e explicará a correlação entre esse novo esforço dos EUA no Iraque e sua luta contra Al-Qaeda no Afeganistão e no resto do mundo, antecipou Burton.

 

A partir da próxima quarta-feira, as tropas americanas que ficarão no Iraque treinarão as forças iraquianas, organizarão operações conjuntas de luta antiterrorista e protegerão o pessoal civil e militar que ficará no país árabe.

 

"As forças iraquianas demonstraram sua capacidade de levar a cabo essas operações de maneira muito, muito eficaz", assegurou Brennan.

 

No entanto, o assessor reconheceu que o Iraque ainda precisa avançar em certos aspectos para "garantir que a segurança prevaleça em todo o país e se mantenha durante muitos anos".

 

Segundo Brennan, o número de tropas americanas no Iraque "continuará caindo ao longo do próximo ano" rumo à retirada completa no final de 2011, mas destacou que o ritmo será "ajustado com base nas condições no terreno".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.