Centenas de iraquianos são enterrados sem identificação

Centenas de iraquianos mortos desde2003 foram enterrados sem serem identificados por suasfamílias, informou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha(CICV) na quarta-feira. Citando fontes iraquianas públicas, a organizaçãohumanitária sediada em Genebra estima que de 375 mil a 1 milhãode iraquianos permanecem sem serem contabilizados desde osconflitos que começaram com a guerra Irã-Iraque de 1980-1988. "Pessoas desaparecidas podem ter sido capturadas,sequestradas, talvez mortas e enterradas em sepulturas semidentificação, ou podem estar em hospitais em condiçõescríticas ou definhando em um local de detenção escondido",disse o CICV em uma relatório divulgado um dia antes do DisaInternacional dos Desaparecidos. O diretor de operações do CICV, Pierre Kraehenbuehl, disseque não há cifras sobre desaparecidos desde a invasão lideradapelos EUA há quatro anos, apesar de pessoas desapareceramdiariamente e os necrotérios lutarem para identificar diversoscorpos que não são reivindicados. Cerca de 10 mil corpos trazidos para o Instituto MédicoLegal de Bagdá no último ano nunca foram identificados e 4 milvítimas anônimas foram enterradas em cemitérios especiais emNajaf e Kerbala desde 2003, disse ele uma coletiva. Um dos grandes desafios é garantir que as autoridadesmantenham livres os locais de sepultura para permitir que osrestos mortais sejam mais facilmente identificados no futuro,disse Kraehenbuehl. O CICV enfatizou a necessidade de uma fonte centralizada deinformações sobre pessoas desaparecidas e corpos nãoreivindicados à luz dos problemas envolvendo a procura porentes queridos no Iraque. "Para uma família iraquiana, o processo de procurar por umparente desaparecido pode ser extremamente complicado ou atémesmo perigoso e muitas vezes impossível", informou orelatório. Mesmo quando os corpos são encontrados, as viagens pararecuperá-los podem ser de alto risco. Muitas pessoas acabampagando centenas de dólares para indivíduos que falsamenteafirmam saber o paradeiro de seus entes queridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.