Centenas de palestinos violam fronteira com o Egito

Bomba e escavadeira abrem brechas na fronteira e moradores de Gaza fogem dos ataques

Associated Press,

28 de dezembro de 2008 | 17h00

Palestinos violaram a cerca que marca a fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito em diversos pontos e centenas cruzaram para solo egípcio, levando guardas e fronteira a abrir fogo, disseram autoridades e testemunhas dos dois lados da fronteira.   Veja também: Ataques em Gaza interrompem conversas de paz com a Síria No mundo islâmico, multidões protestam contra Israel Israel aprova convocação de reservistas para ofensiva em Gaza Abbas: ataques podiam ser evitados; Olmert promete 'firmeza' Ministros árabes se reúnem na 4ª para discutir ataques a Gaza ONU pede cessar fogo imediato de Israel na Faixa de Gaza Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Ofensiva israelense deve sepultar esforço de paz Hamas pede nova Intifada contra Israel após ataques Itamaraty condena 'reação desproporcional' de Israel Veja imagens de Gaza após os ataques       Um oficial das forças de segurança egípcias disse que houve pelo menos quatro brechas abertas ao longo dos 14 km da cerca, e que centenas de moradores de Gaza passaram por esse locais.   O rompimento da fronteira veio pouco depois de aviões israelenses bombardearem os túneis de contrabando que passam por baixo da fronteira, e que são vitais para a sobrevivência do grupo extremista Hamas no território. os bombardeios são uma reação aos mísseis lançados pelo Hamas, a partir de gaza, contra Israel.   O número de mortos nos dois dias de bombardeio já supera 290. O Hamas reagiu disparando mísseis que penetraram como nunca antes no território israelense, chegando à cidade portuária de Ashod, e continua a comandar cerca de 20 mil combatentes.    Mas os bombardeios forçaram os líderes do Hamas a se esconder, a maioria dos mortos eram soldados do grupo extremista, e a inteligência militar israelense informa que a capacidade do Hamas de lançar mísseis caiu em 50%. De fato, o número de foguetes lançados contra Israel caiu abruptamente, de mais de 130 NP sábado para pouco mais de 20 neste domingo.  Palestinos em campo de refugiados se protegem a arremessam pedras em tropa israelense. AP   Pelo menos 300 guardas egípcios foram levados ao local para voltar a lacrar a fronteira, acrescentou o oficial, sob a condição de que seu nome não fosse revelado.   Uma testemunha no lado de Gaza da fronteira, Fida Kishta, disse que os moradores detonaram uma mina terrestre na fronteira, e seqüestraram uma escavadeira para criar mais brechas.   "Houve uma grande explosão e, então, vimos a fumaça e as pessoas começaram a correr para o Egito, às centenas. Todo mundo está começando a cruzar", disse ela.   O representante egípcio disse que o muro entre Gaza e Egito, no bairro de Barahneh, foi derrubado durante o ataque aéreo e na explosão de um tanque de combustível, que se seguiu ao bombardeio.   Palestinos tentam retirar corpo de membro das forças do Hamas de escombros em Gaza. AP   "Centenas de mulheres, crianças e homens passaram pela brecha", disse ele, acrescentando que tiros foram dados para o ar nos dois lados da linha. Palestinos jogaram pedras nos soldados egípcios.   Cisjordânia   Tropas israelenses na Cisjordânia mataram a tiros um palestino e feriram outro neste domingo, durante um violento protesto contra os ataques aéreos na Faixa de Gaza, disse um paramédico palestino. Na cidade de Hebron, no sul da Cisjordânia, forças de segurança palestinas, leais ao presidente Mahmoud Abbas, dispararam para o ar a fim de dissolver uma multidão de centenas de apoiadores do Hamas. As forças de Abbas estão atuando em diversas partes do território, para minimizar o atrito entre a população e tropas israelenses e reprimir o Hamas.    (Atualizado às 18h42) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.