Cerca de mil pessoas morreram em revolta na Líbia--Grã-Bretanha

Alassane Ouattara, da Costa do Marfim, disse que forças sob seu comando estavam "nos portões" de Abidjã nesta quinta-feira e pediu aos simpatizantes de Laurent Gbagbo que ainda restam para que mudem de lado para evitar maiores sofrimentos.

REUTERS

31 de março de 2011 | 11h24

"Peço a vocês que sirvam à seu país... Está na hora de se unir aos seus irmãos nas Forças Republicanas", disse Ouattara em comunicado na televisão estatal. O pronunciamento foi feito pouco depois de a África do Sul anunciar que o chefe do Exército de Gbagbo buscou refúgio em sua embaixada no país.

As forças de Ouattara tomaram o controle de diversas cidades próximas à cidade principal de Abidjã, incluindo o porto de cacau de San Pedro, durante a madrugada, apertando o cerco ao redor de Gbagbo, que já resistiu a pedidos anteriores pela sua renúncia.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAGRABRATANHAHUAMANS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.