Chanceler da Tuquia pede reconciliação entre palestinos do Hamas e do Fatah

Grupos permanecem afastados e discordam sobre uma série de assuntos internos e externos

Efe

20 de julho de 2010 | 11h11

ISLAMABAD - O ministro de Assuntos Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, manteve contatos nos últimos dias com o grupo militante palestino Hamas para pedir que seus membros contribuam para a reconciliação com os demais partidos palestinos, especialmente com o movimento Fatah, fundado por Yasser Arafat, informou nesta terça-feira, 20, a agência de notícias estatal turca Anadolu.

 

O chefe da diplomacia turca se reuniu na segunda-feira em Damasco com Khalid Mashal, chefe do escritório político do Hamas e representante do movimento islamita na Síria, um político com o qual Ancara mantém boas relações.

 

Após a vitória eleitoral do Hamas nas eleições legislativas de 2006 e o enfrentamento com a Autoridade Nacional Palestina (ANP) dirigida pelo Fatah em 2007, os territórios palestinos permaneceram divididos na Faixa de Gaza, controlada pelos radicais e bloqueado por Israel, e Cisjordânia, onde exerce o controle o Fatah.

 

Diversos países, especialmente Catar e Egito, tentam mediar as relações entre os grupos palestinos, embora Davutoglu, que até o ano passado era conselheiro de política externa do primeiro-ministro turco, também colaborou.

 

O chanceler turco, que está em Cabul, manteve outros importantes encontros em Damasco nos dois últimos dias para tentar contribuir à estabilidade no Oriente Médio. Davutoglu se reuniu com Moqtada al-Sadr, clérigo radical xiita e líder do Exército Mehdi, bem relacionado com Teerã e o Hezbollah, e se opõe ao anterior regime de Saddam Hussein e à ocupação americana do Iraque e à atuação da Al-Qaeda no país árabe.

 

Sadr compartilha com Ancara os temores a que os choques interétnicos e religiosos no centro e sul do país e a crescente riqueza do norte curdo, levem a uma desintegração do Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
FatahHamasANPpalestinosTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.