Chefe da AIEA ganha novo mandato; Irã 'espera que ele mude'

Yukiya Amano, que fez com que a agência nuclear da ONU adotasse uma postura mais dura com o Irã, garantiu um segundo mandato de quatro anos como chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, nesta quarta-feira.

FREDRIK DAHL, Reuters

06 de março de 2013 | 15h21

O veterano diplomata japonês foi aprovado por consenso pelo órgão dirigente da AIEA, formado por 35 nações, num momento em que o Irã é submetido a pressão crescente de países ocidentais que suspeitam que a República Islâmica esteja desenvolvendo tecnologia de armas nucleares.

Diplomatas ocidentais estão contentes com Amano, que obteve o cargo por estreita margem em 2009, quando sucedeu o egípcio Mohamed ElBaradei, criticado pela linha mais suave com o Irã. Não havia candidatos rivais desta vez.

O Irã, que nega estar buscando armas nucleares e acusa o Ocidente de usar seu progresso científico como uma desculpa para intimidá-lo com sanções, está menos satisfeito com Amano.

Teerã rejeitou o pedido da AIEA de visitar uma instalação militar onde a agência suspeita que testes explosivos relevantes para o desenvolvimento de armas nucleares ocorreram, possivelmente uma década atrás.

"Houve alguns altos e baixos", disse Ali Asghar Soltanieh, enviado do Irã à AIEA, ao ser questionado sobre o desempenho de Amano. "Nós realmente esperamos que ele mude o curso de ação".

(Reportagem de Derek Brooks)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAAMANO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.