Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Chefe da diplomacia israelense falta à sessão do Parlamento com Lula

Decisão do presidente em não visitar túmulo de líder sionista teria irritado Lieberman

Efe,

15 de março de 2010 | 16h17

O ministro de Assuntos Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, faltou à sessão especial do Parlamento israelense (Knesset) com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após o presidente brasileiro evitar visitar o túmulo do fundador do sionismo, Theodor Herzl. Durante a visita aos territórios palestinos, o presidente deve homenagear os restos mortais do líder da Autoridade Palestina, Yasser Arafat.

Veja também:

link Parlamento israelense critica relações entre Brasil e Irã

linkLula pede mais mediadores na questão palestina

linkMediadores não faltam, diz chancelaria israelense

linkIsrael seguirá construindo casas em Jerusalém Oriental, diz Netanyahu

Artigo: O jogo perigoso de Israel

 

Lieberman não compareceu hoje à na qual Lula fez um discurso em protesto pelo que considerou como um grave descumprimento do protocolo, informou o serviço de notícias israelense "Ynet".

 

A informação que chegou ao governo brasileiro é de que a visita ao túmulo de Herzl não é praxe de viagens oficiais.

 

 

Os dois últimos chefes de Estado que passaram por Israel - o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi - não visitaram o local.

O porta-voz de Lieberman, Tzachi Moshe, confirmou à Agência Efe que o ministro não compareceu ao Knesset para o discurso de Lula, mas preferiu não comentar se o chefe da diplomacia israelense estaria boicotando a visita, a primeira de um chefe de estado do Brasil ao Oriente Médio em mais de 100 anos.

Hoje de manhã, enquanto Lula mantinha um encontro privado com o presidente israelense, Shimon Peres, o chefe de protocolo do Ministério de Assuntos Exteriores israelense, Yitzhak Eldan, perguntou mais uma vez a seu colega brasileiro, embaixador George Monteiro Prata, se o presidente tinha mudado de opinião.

Prata respondeu com um firme "não", informou o jornal "Jerusalem Post". "Eldan ficou claramente incomodado", diz a publicação.

Ainda segundo o "Jerusalem Post", quando perguntado por um jornalista sobre por que Lula visitará o túmulo de Arafat e não o de Herzl, Prata respondeu que "terão que perguntar ao presidente".

Por excesso de insultos, de comentários antissemitas e islamofóbicos, esta matéria foi fechada para comentários

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelLulaOriente MédioHerzlArafat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.