Chefe da estatal do petróleo líbia desertou, dizem rebeldes

Presidente da National Oil Corporation teria fugido para a Tunísia, segundo governo de transição

REUTERS

17 de maio de 2011 | 11h00

BENGHAZI - O presidente da poderosa National Oil Corporation (NOC), a estatal de petróleo da Líbia, abandou seu cargo e desertou do governo de Muamar Kadafi, disseram nesta terça-feira, 17, rebeldes que lutam para encerrar os 41 anos do líder no poder.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 
Os insurgentes declararam desconhecer o paradeiro de Shokri Ghanem, e não houve confirmação independente ou comentário das autoridades líbias. Redes de TV árabes relataram a deserção de Ghanem na noite de segunda-feira, e disseram que ele deixou a Líbia. Segundo autoridades do governo de transição da Tunísia, Ghanem teria fugido para o país, cruzando pela fronteira oeste.

 

 

"Até onde sabemos ele deixou o cargo, é o que soubemos nas últimas 24 horas", disse à Reuters Ali Tarhouni, ministro das Finanças e do Petróleo dos rebelde, durante uma visita a Doha, acrescentando não saber onde Ghanem está.

Tarhouni também disse que espera representar a Líbia em uma reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em junho.

Os rebeldes e a mídia árabe já tinham relatado anteriormente a saída de Ghanem do posto, mas naquela ocasião ele reapareceu e disse estar no cargo e trabalhando como sempre.

A deserção, se confirmada, seria um golpe no governo de Kadafi, que combate um levante de três meses de insurgentes que tomaram Benghazi e o leste produtor de petróleo do país norte-africano com apoio dos bombardeios da Otan.

Para piorar a situação do líder, o promotor do Tribunal Penal Internacional pediu na segunda-feira um mandato de prisão para Kadafi, acusando-o de matar manifestantes.

Luis Moreno-Ocampo também solicitou aos juízes a prisão de Saif al-Islam, filho de Kadafi, e de Abdullah al-Senussi, seu cunhado e chefe da espionagem. Agora os juízes precisam determinar se há provas suficientes para emitir os mandatos.

 

Leia mais:

link Trípoli pode acatar resolução da ONU se rebeldes e Otan pararem bombardeios

link Otan está preparada para 'longa campanha na Líbia', diz Grã-Bretanha

link Promotor do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Kadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.