Chefe da ONU no Líbano mostra preocupação com mísseis

Foguete foi lançado contra Israel a partir do sul libanês; funcionário pediu calma e estabilidade

Efe,

28 de outubro de 2009 | 16h48

O coordenador especial da ONU para o Líbano, Michael Williams, expressou nesta quarta-feira, 28, sua inquietação pelos últimos incidentes no sul do Líbano e pediu o restabelecimento da estabilidade e calma.

 

"Fomos testemunhas do lançamento de um foguete 'katyusha' do sul do Líbano em direção a Israel e esta manhã [quarta-feira] foram encontrados quatro foguetes na mesma zona. Estas questões são motivo de grave preocupação, assim como os bombardeios israelenses em resposta", afirmou Williams aos jornalistas.

 

Williams, que fez estas declarações depois de se reunir com o líder opositor Michel Aoun, lembrou que nas últimas semanas "houve uma série de graves violações da resolução 1701 do Conselho de Segurança (da ONU), pelo que se deve trabalhar duro para evitar novos incidentes e restabelecer a estabilidade e a calma".

 

O responsável da ONU se referia a fatos recentes como uma explosão em um depósito de armas do Hezbollah, ou a destruição por parte de Israel de duas torres de telecomunicações, instaladas em 2006 supostamente para espionar o grupo xiita.

 

Por outra parte, Williams assegurou que apoia o diálogo entre os libaneses e reiterou sua preocupação com a não formação do governo. Além disso, manifestou seu desejo que o novo Gabinete se forme antes que o Conselho de Segurança da ONU discuta, no próximo dia 10 de novembro, a aplicação da resolução 1701 que pôs fim à guerra entre Israel e o Hezbollah de 2006.

 

O primeiro-ministro designado, Saad Hariri, tenta há quatro meses fazer gestões para formar um Executivo de unidade, sem sucesso. Hariri, do grupo vencedor das eleições de 7 de junho, recebeu a incumbência de formar Governo em duas ocasiões, a primeira em 27 de junho e a segunda em 16 de setembro, mas até agora não conseguiu que suas gestões tenham frutos.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoIsraelfogueteONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.