Chefe da ONU visita Líbano enquanto revolta ferve na Síria

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, chegou ao Líbano nesta sexta-feira para discutir ataques contra tropas da paz da ONU no sul do país, um tribunal apoiado pela entidade que indiciou homens do Hezbollah pelo assassinato de Rafik al-Hariri e as revoltas na vizinha Síria.

ALISTAIR LYON, REUTERS

13 de janeiro de 2012 | 13h01

A viagem do secretário-geral provocou agitação mesmo antes de sua chegada, com um líder do Hezbollah dizendo que ele não era bem vindo, uma postura criticada por políticos libaneses opostos ao movimento islâmico xiita armado e seus patronos, Síria e Irã.

O Hezbollah aceitou uma expansão da Força Interina da ONU no Líbano (Unifil) no sul depois de sua guerra devastadora contra Israel em 2006, mas rejeita uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que exige que ele entregue suas armas, como fizeram todos os outros grupos armados libaneses depois da guerra civil de 1975-1990.

Em uma entrevista publicada no jornal de Beirute an-Nahar na sexta-feira, Ban reafirmou que o Hezbollah, que diz precisar de armas para defender a si mesmo e ao Líbano de Israel, deveria se desarmar.

"Nenhum Estado pode funcionar de forma bem-sucedida sem um monopólio sobre o legítimo uso da força", disse Ban.

Tropas da Unifil sofreram três ataques no ano passado, em que soldados italianos e franceses foram feridos. Um foguete foi lançado contra Israel em novembro e houve uma nova tentativa no mês passado. Nenhum grupo assumiu a autoria.

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIALIBANOONU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.