Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Efe/Stringer
Efe/Stringer

Chefe de área humanitária da ONU se diz 'devastada' sobre Homs

Valerie Amos visitou bairro de Baba Amr, um dos principais alvos dos ataques do Exército sírio

Reuters

08 de março de 2012 | 09h48

DAMASCO - A chefe de Assuntos Humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, disse nesta quinta-feira, 5, que está "devastada" com o que viu no bairro destruído de Baba Amr, na cidade síria de Homs, e está preocupada em saber o que aconteceu com os habitantes de lá.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

"Eu fiquei devastada pelo o que vi em Baba Amr ontem (quarta-feira)", disse Valerie, após deixar uma reunião como ministros em Damasco, capital da Síria. "A devastação lá é significativa, essa parte de Homs está completamente destruída e estou preocupada em saber o que aconteceu com a população que vive nesta parte da cidade."

 

Valerie entrou na Síria junto do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para avaliar a situação em Homs. Ela deve apresentar um relatório ao fim de sua viagem.

 

Enviado pede calma

 

O enviado especial conjunto da Liga Árabe e da ONU para a Síria, Kofi Annan, disse também nesta quinta que qualquer militarização adicional da crise síria irá "agravar a situação" no país.

 

"Espero que ninguém esteja pensando muito seriamente em usar a força nesta situação. Creio que qualquer militarização adicional vai piorar a situação", disse Annan, no Cairo, após reunião com o secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Elaraby. O enviado deve visitar a Síria em 10 de março para negociar com as autoridades de Damasco.

 

Segundo a ONU, mais de 7,5 mil civis já morreram na onda de violência na Síria, iniciada há um ano com os protestos contra o regime do presidente Bashar Assad. Damasco culpa grupos armados terroristas pelo caos no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.