Chefe do programa nuclear iraniano pede fim de perseguição

Novo diretor afirma que 'não sobrou motivo' para agência da ONU manter impasse; preocupações são 'falsas'

Efe,

18 de julho de 2009 | 08h41

O novo diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica (OIEA), Ali Akbar Salehi, pediu neste sábado, 18, à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), subordinada à ONU, que dê por encerrada a questão nuclear do país. "Já se acabaram as questões jurídicas e técnicas do caso nuclear iraniano e a AIEA anunciou isso várias vezes. Portanto, não sobrou nenhum motivo para manter este caso aberto", disse Salehi à TV estatal.

 

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Em suas primeiras declarações após ser nomeado novo diretor da OIEA, Salehi afirmou que "manter o caso nuclear do Irã aberto por questões políticas prejudicaria todos". "Esperamos que, a partir de agora, o tratamento bélico dado ao caso nuclear do Irã nos últimos seis anos acabe e este caso seja encerrado o mais rápido possível ", acrescentou.

 

Salehi disse ainda que a OIEA "está comprometida com suas obrigações internacionais" e com a "defesa do direito nuclear do Irã". Segundo o diretor, as preocupações de alguns países com o programa nuclear iraniano - ao qual ele se referiu como "pacífico" -, são "falsas e ilegais."

 

Salehi afirmou que o Irã quer a manutenção da paz e a estabilidade no mundo e na região. Para isso, acrescentou que o país está disposto a fazer todos os esforços políticos necessários. A importância do Irã para a região "é algo óbvio", ressaltou o diretor da OIEA, que também foi nomeado vice-presidente do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.