Chefe nuclear da ONU mostra otimismo sobre acordo com Irã

O chefe da agência nuclear da Organização das Nações Unidas voou a Teerã neste domingo expressando otimismo de que conseguirá chegar a um acordo para investigar supostas pesquisas sobre a construção de bombas atômicas, um possível marco pode ajudar o Irã a aliviar as sanções ocidentais sobre o país e dissipar ameaças de guerra.

FREDRIK DAHL, REUTERS

20 Maio 2012 | 16h56

"Eu realmente acho que esse é o momento de se fechar um acordo. Nada é certo, mas eu continuo positivo", disse o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, no aeroporto de Viena, acrescentando que já se alcançou "bom progresso".

Mas embora Amano tenha agendado as negociações com o Irã na segunda-feira, logo depois que diplomatas disseram que um acordo sobre novas inspeções parece estar próximo, poucos veem as autoridades iranianas convencendo os governos ocidentais a relaxar as medidas punitivas quando seus representantes se reuniram com autoridades do alto escalão em Bagdá na quarta-feira.

Amano vai se reunir com o principal representante do Irã ligado à questão nuclear, Saeed Jalili, na segunda-feira, dois dias após Jalili se reunir com a representante da União Europeia Catherine Ashton, que lidera uma coalizão de seis potências composta dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.

Ao prometer cooperação com os inspetores da ONU, diplomatas dizem que o Irã pode estar buscando espaço para compromissos maiores em discussões futuras mais amplas, nas quais os Estados Unidos e seus aliados querem que o Irã interrompa os desenvolvimentos de seu programa nuclear. Os países do Ocidente dizem que o Irã usa essas pesquisas como uma cortina para esconder o desenvolvimento de armas nucleares.

Sanções ocidentais sobre as exportações do Irã e ameaças de Israel e dos EUA de ação militar impulsionaram os preços do petróleo.

Mais conteúdo sobre:
IRAONUNUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.