CIA apresenta provas do auxílio nuclear de Pyongyang a Síria

Congresistas americanos criticaram demora na apresentação de dados

EFE e AP

24 de abril de 2008 | 17h48

A CIA (agência central de inteligência americana) apresentou nesta quinta-feira, 24, ao Congresso uma série de provas, que segundo o governo americano, demonstram que a Síria construía um reator nuclear com a ajuda da Coréia do Norte.   Veja também:  Síria confirma proposta de Israel para devolver Colinas de Golan A apresentação dessas provas foi muito criticada pelos congressistas, para quem elas chegaram "tarde demais", oito meses após Israel bombardear a central síria.   Funcionários do serviço de inteligência dos EUA qualificaram as provas apresentadas a membros do Congresso como "extremamente convincentes".   Os deputados, por sua vez, não analisaram publicamente seu conteúdo, mas transmitiram seu mal-estar com a demora do Governo em lhes comunicar sobre um tema tão delicado.   Em comunicado a Casa Branca reafirmou que a Coréia do Norte auxiliou a Síria em um programa nuclear e que o reator bombardeado por Israel em Setembro "não tinha fins pacíficos.   A grande pergunta que os deputados se fazem hoje é por que o Governo manteve em segredo, durante tanto tempo, uma informação tão delicada e omitiu-se da sua obrigação legal de informar "plena e continuamente" ao Congresso dos seus assuntos.   O democrata Silvestre Reyes, presidente do Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes, disse que o desafio dos deputados é superar "véu de sigilo" do Governo, que obstrui seu trabalho e suas responsabilidades.   O republicano Peter Hoekstra foi mais incisivo e afirmou que apenas hoje todos os membro do comitê foram comunicados, apesar dele e Reyes terem conhecimento "há muito tempo" da informação que tinha o governo.   Hoekstra também disse que os congressistas foram "usados" pelo governo e previu que o Executivo vai ter dificuldade para conseguir autorizações do Congresso em eventuais acordos com a Coréia do Norte por seu programa nuclear.   A Casa Branca repudiou as palavras do deputado na única reação à apresentação das provas. No entanto, a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, assegurou que o Governo notificou 22 deputados acerca das provas em cumprimento do seu dever de informar ao Congresso deste assunto.   Além disso, deu a entender que os países envolvidos nas conversas para encerrar o programa nuclear norte-coreano já tinham sido informados, ao indicar que as provas apresentadas hoje "não seriam novidade para eles".   Além dos EUA, as duas Coréias, Rússia, Japão e China participam dessas conversas.   Até o momento, não está claro como o conteúdo das reuniões de hoje vão afetar o andar das negociações.   O diretor da CIA, Michael Hayden, informou às comissões de Inteligência, da Forças Armadas e de Assuntos Exteriores da Câmara e do Senado sobre supostas provas sobre a existência do reator nuclear, que foi bombardeado por aviões israelenses em 6 de setembro do ano passado, aparentemente com o apoio dos EUA.   Segundo o Governo americano, o projeto da usina previa a produção de uma pequena quantidade de plutônio, que seria usado em armas nucleares.   Um vídeo mostraria, segundo a imprensa local, que a instalação síria tinha o mesmo desenho da central norte-coreana de Yongbyon.   Além disso, técnicos da Coréia do Norte seriam vistos nas imagens.   A revelação sobre o suposto papel de Pyongyang na construção de uma usina nuclear na Síria foi feita no momento em que os EUA se preparam para suavizar as sanções contra a Coréia do Norte. Para isso, o Governo americano exige um relatório detalhado do desenvolvimento do programa nuclear norte-coreano até a desativação da última usina nuclear que ainda funcionava, em Yongbyon, no ano passado.   Em comunicado a Casa Branca anunciou acreditar que a Coréia do Norte tenha auxiliado a Síria em um programa nuclear e que o reator bombardeado por Israel em Setembro "não tinha fins pacíficos.   O embaixador da Síria nos Estados Unidos classificou como "ridículas" as acusações americanas.     (Matéria ampliada às 19h25)   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.