Cinco petrolíferas retomaram trabalho na Líbia, diz conselho rebelde

Novo governo líbio planeja rápida recuperação da atividade de extração no país africano

Reuters

02 Setembro 2011 | 15h32

PARIS - A Líbia está contando com a rápida retomada da produção de petróleo para reavivar sua economia. Cinco companhias internacionais já estão de volta e trabalhando para retomar as operações, disseram nesta sexta-feira, 2, autoridades da equipe de reconstrução do conselho interino que dirige o país.

 

Veja também:

blog TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

forum OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

 

O ministro interino da reconstrução, Ahmed Jehani, afirmou à Reuters durante um encontro com grupos doadores e peritos em reconstrução pós-conflito que a experiência técnica de empreiteiras estrangeiras será determinante para ter o petróleo jorrando novamente.

 

 

"A questão dos danos não é tanto e pode-se intervir muito rapidamente. Isso é ajudado pelo fato de que os poços produtores estão sob contrato com firmas estrangeiras, que podem recorrer a seu pessoal", disse Jehani, que também preside a equipe de estabilização da Líbia.

O chefe das operações da equipe de estabilização, Aref Ali Nayed, disse que entre as cinco empresas de volta ao trabalho está a italiana ENI. Jehani e Nayed se reuniram com peritos de entidades como Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial e a norte-americana Usaid para discutir as necessidades da Líbia na reconstrução.

O encontro ocorreu depois de uma conferência internacional de potências em Paris na quinta-feira sobre a reconstrução política e econômica da Líbia, na qual os líderes mundiais se comprometeram a liberar mais bens líbios congelados por sanções aprovadas pela ONU.

Jehani disse esperar que o rápido descongelamento de um total de US$ 15 bilhões reduziria a necessidade de obter empréstimos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.