Efe/Arquivo
Efe/Arquivo

Clérigo radical diz que resistirá a presença dos EUA no Iraque

Muqtada al-Sadr afirma que rejeitará até manutenção de pessoal civil americano

Reuters

03 de novembro de 2011 | 19h40

BAGDÁ - O clérigo radical xiita Muqtada al-Sadr, conhecido por suas posturas anti-americanas, disse nesta quinta-feira, 3, que irá resistir a qualquer presença dos Estados Unidos no Iraque, incluindo civil. As declarações do iraquiano são dadas poucas semanas antes da retirada total das tropas americanas do país, o que deve ocorrer antes do fim do ano.

 

Sadr, cuja milícia Exército Mehdi chegou a combater tropas dos EUA e do Iraque, se opôs a qualquer presença militar norte-americana e seu bloco é uma parte fundamental da frágil coalizão do primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki.

 

"Nós não aceitamos qualquer tipo de presença dos EUA no Iraque, seja militar ou não", disse Sadr em uma entrevista transmitida pela televisão Al-Arabiya. "Se eles permanecerem no Iraque, através de uma (presença) militar ou não militar ... vamos considerá-los uma ocupação e vamos resistir custe o que custar. Mesmo uma presença civil, nós a rejeitamos", disse o clérigo.

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em 21 de outubro que todas as tropas restantes dos EUA, atualmente em torno de 33 mil, serão retiradas do Iraque até 31 de dezembro, depois que Washington e Bagdá não chegaram a um acordo sobre a imunidade para os soldados norte-americanos.

 

Mas uma enorme embaixada dos EUA será mantida em Bagdá, além de operações consulares em Arbil, na zona curda do norte, e em Basra, na região petrolífera do sul.

Milhares de funcionários privados também irão trabalhar como guardas e instrutores para as tropas iraquianas, usando aparelhagem dos EUA, como tanques e caças F-16.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.