Clérigo suspende atividades do Exército Mahdi por 6 meses

Líder iraquiano interrompe ações do grupo radical xiita para se 'rearmar' após onda de violência em Kerbala

Reuters e Associated Press,

29 de agosto de 2007 | 10h01

O clérigo xiita iraquiano Muqtada al-Sadr ordenou nesta quarta-feira, 29, a suspensão por seis meses das atividades do Exército Mahdi, para que a milícia possa rearmar e reestruturar suas forças, revelou um assessor do religioso.  Veja também:Governo diz ter restaurado ordem em Kerbala A ordem foi emitida depois de mais de 50 pessoas terem morrido em dois dias de violentos confrontos entre facções rivais xiitas na cidade sagrada de Kerbala, no sul do Iraque.Numa entrevista à televisão estatal iraquiana, o xeque Hazim al-Araji, assessor de Al-Sadr, disse que o objetivo da suspensão de atividades é "reorganizar" a milícia, que teria se dividido em muitas facções, algumas das quais os Estados Unidos acusam de ser treinadas e sustentadas pelo Irã."Nós declaramos a suspensão das ações do Exército Mahdi, sem exceções, com o objetivo de reorganizá-lo de forma a preservar sua imagem ideológica por um período máximo de seis meses a partir da divulgação desta mensagem", declarou Araji, lendo uma mensagem assinada por al-Sadr.Autoridades iraquianas acusaram milicianos leais a Al-Sadr de terem atacado guardas das mesquitas, muitos dos quais pertencem à Brigada Badr, braço armado do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (CSRII), também xiita, rival do Exército Mahdi.Ahmed al-Shaibani, um porta-voz de al-Sadr, nega o envolvimento do grupo nos choques em Kerbala. Al-Sadr pediu a abertura de um inquérito para investigar o episódio e "acalmar a situação", disse Shaibani. KerbalaNesta quarta, o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, viajou para a cidade sagrada de Kerbala, onde declarou que a ordem foi restabelecida depois dos confrontos entre milícias xiitas que deixaram 52 mortos e provocaram a fuga de mais de 1 milhão de peregrinos. De acordo com fontes nos serviços de segurança, militantes do Exército Mahdi, leais a al-Sadr, entraram em choque com milicianos da Brigada Badr nas proximidades dos dois principais santuários xiitas da cidade.  O sul iraquiano é palco de uma disputa de poder entre o Exército Mahdi e a Brigada Badr, braço armado do rival Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (CSRII).A policia disse que homens armados queimaram edifícios do Conselho durante a noite em Kadhimiya, na cidade sagrada de Kufa, em Iskandariya e em Al Hamza, província de Babel. Em Najaf, principal cidade sagrada xiita, um diretório do partido foi atingido por um foguete.Os sadristas e o Siic, os dois maiores blocos xiitas no Parlamento, travam uma disputa de poder pelo controle das cidades no sul do Iraque, predominantemente xiita.  Em muitas dessas cidades, a polícia é leal às Organizações Badr. Especialistas temem que a violência só vá piorar com a aproximação das eleições provinciais, que devem acontecer no ano que vem.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUESADRSUSPENDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.