Comandante iraniano ameaça retaliação contra EUA e Grã-Bretanha

O comandante da Guarda Revolucionária do Irã, Mohammad Ali Jafari, prometeu nesta segunda-feira "medidas retaliatórias para punir" os serviços de inteligência dos EUA e da Grã-Bretanha, que, segundo ele, têm ligações com o grupo sunita acusado pelo atentado suicida que matou 42 pessoas no domingo na República Islâmica, de acordo com a agência de notícias Isna.

REUTERS

19 de outubro de 2009 | 11h22

A imprensa local diz que o grupo rebelde sunita Jundollah ("Soldados de Deus") assumiu a autoria do atentado na província de Sistan-Baluchistão. Vários comandantes da Guarda Revolucionária estão entre os mortos.

Jafari disse nesta segunda-feira que autoridades iranianas de segurança apresentaram documentos indicando "ligações diretas" da Jundollah com britânicos e norte-americanos e, "infelizmente", com organizações paquistanesas de inteligência.

O Jundollah tem sido responsabilizado por diversos ataques nessa província do sudeste iraniano nos últimos anos. O grupo, que diz lutar pelos direitos da minoria sunita, é liderado por Abdolmalek Rigi.

"Esta própria pessoa e seus planos estão sem dúvida sob o guarda-chuvas e a proteção dessas organizações (dos EUA, Grã-Bretanha e Paquistão)", disse o comandante.

Ebrahim Hamidi, dirigente do Judiciário na província, disse que os membros do Jundollah estão em guerra com Deus e devem ser executados, segundo a agência semioficial de notícias Fars.

O Irã enforcou 13 supostos membros do Jundollah em julho.

(Reportagem de Hashem Kalantari e Hossein Jaseb)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAAMEAAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.