Combates recomeçam em cidade disputada no oeste da Líbia

Intensos combates ocorreram nesta sexta-feira na cidade líbia de Zawiyah, disseram testemunhas da Reuters, numa aparente contraofensiva das forças de Muammar Gaddafi contra os rebeldes que avançam na direção de Trípoli.

YVONNE BELL, REUTERS

19 de agosto de 2011 | 22h07

Contínuos disparos de granadas de propulsão, morteiros e canhões antiaéreos foram ouvidos na direção da praça central de Zawiyah, enquanto uma coluna de fumaça se erguia no céu noturno, de acordo com relato de repórteres nos arredores da cidade.

Os rebeldes haviam nesta semana conquistado a cidade litorânea, sua refinaria e uma estrada que passa por ali, ligando Trípoli à Tunísia, sufocando dessa forma uma linha de suprimentos para os redutos de Gaddafi.

Depois de ocupar Zawiyah, os rebeldes conquistaram as localidades de Sabratha, na quinta-feira, e Surman, nesta sexta-feira.

Centenas de rebeldes e simpatizantes fizeram festa nas ruas de Surman, que fica perto da rodovia. Eles hastearam a bandeira preta, vermelha e verde que os identifica.

Com esses avanços, os guerrilheiros conseguiram isolar Trípoli, onde milhares de estrangeiros estão retidos. A Organização Internacional para a Migração (OIM) disse estar preparando uma operação para retirá-los, possivelmente por mar.

Apesar da atual ofensiva rebelde, o primeiro-ministro líbio disse que o governo irá sufocar a rebelião "em poucos dias." Os rebeldes contam com apoio militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), cujos aviões atacaram alvos na capital durante a madrugada.

Autoridades líbias levaram jornalistas a um bairro residencial onde um complexo com vários prédios grandes foi totalmente destruído. Moradores disseram que os imóveis pertenciam a Abdullah al-Senussi, cunhado de Gaddafi e chefe de inteligência do governo.

Em outro sinal de que os combates estão se aproximando do círculo íntimo do governante, o irmão do porta-voz de Gaddafi foi dado como morto numa cidade da linha de frente. O governo atribuiu a morte a helicópteros da Otan.

O canal norte-americano NBC News noticiou nesta sexta-feira, citando fontes de inteligência dos EUA, que Gaddafi estaria se preparando para deixar a Líbia com sua família, possivelmente para se exilar na Tunísia.

A leste da capital, onde os combates são sangrentos e os avanços são lentos, os rebeldes lançaram uma ofensiva nesta sexta-feira, mas estão sofrendo baixas, disse um repórter da Reuters no local.

(Reportagem adicional de Missy Ryan, em Trípoli; de Robert Birsel, em Benghazi; de Stephanie Nebehay, em Genebra; de Ulf Laessing, em Garyan; de Mariam Karouny, em Beirute; de William Maclean, em Londres; e de Souhail Karam, em Rabat)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIACOMBATESZAWIYAH*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.