Comboio com ajuda humanitária enfrenta bloqueio a Gaza

Um comboio de seis navios que transporta ajuda humanitária para os palestinos partiu para Gaza neste domingo, desafiando um bloqueio de Israel-Estados Unidos ao território empobrecido e advertências de que a carga será interceptada.

REUTERS

30 Maio 2010 | 16h42

Os navios, liderados por uma embarcação turca com 600 pessoas a bordo, partiu de águas internacionais em uma região próxima ao Chipre, na tarde de domingo.

"Se tudo correr bem e não houver problemas ou interrupções de qualquer tipo, deverá chegar a Gaza por volta das 14 horas de amanhã (segunda-feira), no horário local", disse Mary Hughes-Thompson, porta-voz do Movimento Gaza Livre, um dos organizadores.

Israel já informou que irá impedir que o comboio chegue a Gaza, governada pelo Hamas, um pedaço de território deserto que Israel tem bloqueado nos últimos três anos para impedir a entrada de armas e outros materiais.

Comandos navais israelenses realizaram treinos para a prática de embarque e busca em navios. Os ativistas enfrentam detenção e deportação. A carga deverá ser apreendida e examinada antes de uma possível transferência por Israel para Gaza, segundo militares israelenses.

A frota foi organizada por grupos pró-palestinos e uma organização turca de direitos humanos. A Turquia pediu a Israel que permita a passagem com segurança e afirmou que o comboio carrega 10.000 toneladas de ajuda humanitária.

A Turquia muçulmana é um dos mais próximos aliados de Israel no Oriente Médio, mas o relacionamento entre os dois países vem se deteriorando. O primeiro-ministro turco Tayyip Erdogan tem criticado frequentemente as políticas do Estado judaico em relação aos palestinos.

Israel e Egito fecharam as fronteiras vizinhas de Gaza após o Hamas, que rejeita o Estado judaico, ter dominado o território em 2007. A tensão na região se mantém elevada desde a devastadora ofensiva israelense em dezembro de 2008 e janeiro de 2009, em Gaza.

A população de Gaza, que conta com ajuda das Nações Unidas, sofre com a escassez de água e medicamentos.

Israel criou um campo de detenção de ativistas na cidade costeira de Ashkelon e disse que qualquer ajuda deve ser entregue avaliação antes de ser distribuída em Gaza através de canais aprovados por Israel.

(Reportagem de Michele Kambas)

Mais conteúdo sobre:
ORMEDGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.