Começa rodada de negociações sobre programa nuclear do Irã

Subsecretário de Estado dos EUA, William Burns, participa pela 1ª vez de cúpula em Genebra

Efe e AP,

19 de julho de 2008 | 08h00

A reunião entre o alto representante de Política Externa e Segurança Comum da União Européia (UE), Javier Solana, e o negociador do Irã, Saeed Jalili, sobre a questão nuclear iraniana começou na manhã deste sábado, 19, em Genebra, com a presença do subsecretário de Estado para Assuntos Políticos dos Estados Unidos, William Burns. Veja também:Irã deve parar programa nuclear antes de negociação, diz RiceNovas negociações nucleares deixam Irã otimista A participação da autoridade americana é um fato inédito neste processo, liderado por Solana em nome dos cinco países do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia) e a Alemanha. Esta é a primeira vez que um representante americano de tão alto nível - Burns é o terceiro na hierarquia do Departamento de Estado americano - se senta formalmente à mesma mesa com um enviado iraniano, desde a Revolução Islâmica, em 1979. No entanto, Washington teve cuidado de esclarecer que Burns só escutará, e não participará formalmente das discussões, nas quais Jalili deverá entregar a resposta final do Governo iraniano à mais recente proposta do grupo negociador que Solana lhe transmitiu em junho. Momentos antes de a reunião ter início, Solana e Jalili posaram para fotos apertando as mãos. Um porta-voz disse aos jornalistas que as delegações estão sentadas em torno de uma mesa oval e que de um lado está a delegação iraniana, com Jalili ao centro, e à frente dele está Solana. Nos dois lados do representante europeu estão sentados funcionários dos países envolvidos nas conversas. A reunião deve durar em torno de duas horas e, depois, os participantes almoçarão juntos. A porta-voz de Solana, Cristina Gallach, afirmou que o encontro estará caracterizado pela "flexibilidade a fim de favorecer um progresso". A última oferta que o Irã recebeu abrange um pacote de incentivos para que o país suspenda o enriquecimento de urânio e as negociações formais possam retomar, assim, em um tom positivo. Pouco depois do início das negociações, no entanto, Keyvan Imani, um dos diplomatas do Irã, disse que seu país não vai interromper seu programa de enriquecimento de urânio em troca de não sofrer mais sanções do Conselho de Segurança da ONU.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAONUSolanaprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.