Condoleezza Rice critica AIEA e pede medidas contra o Irã

Secretária americana pede um esforço diplomático que coloque fim aos planos atômicos de Teerã

Sue Pleming, da Reuters,

19 de setembro de 2007 | 06h08

A secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, repreendeu nesta quarta-feira, 19, a Agência de Vigilância Nuclear da ONU por sua estratégia com o Irã e pediu um esforço diplomático que coloque fim aos planos atômicos de Teerã.  Veja também: Irã diz que sanções da ONU não afetarão programa nuclear Apesar de ter reiterado a postura dos EUA de que "todas as opções" estão sobre a mesa, uma referência a uma possível ação militar contra Teerã, Rice buscou aliviar as preocupações diante dos rumores de uma guerra. "Nós cremos que o caminho diplomático pode funcionar, mas tem que funcionar com um conjunto de incentivos e de regras", declarou Rice. Os Estados Unidos criticaram um acordo feito pelo diretor da AIEA, Mohamed ElBaradei, com o Irã para responder perguntas pendentes sobre suas atividades nucleares. Rice, que anteriormente havia acusado a ElBaradei de "atrapalhar a mensagem" ao Irã, expressou seu forte incômodo com o diretor da AIEA. "A AIEA não faz parte da diplomacia. A AIEA é uma agência técnica que tem uma junta de diretores da qual os Estados Unidos fazem parte", disse Rice aos jornalistas que a acompanham em sua viagem a Israel e territórios palestinos. Washington e seus aliados europeus sustentam que a medida da AIEA distrai a atenção das exigências do Conselho de Segurança da ONU para que o Irã suspenda o enriquecimento de urânio e permita inspeções mais extensas. O Conselho de Segurança da ONU aprovaram duas sanções contra o Irã. Os Estados Unidos pressionam em favor de uma terceira, mas a China e a Rússia se opõem e pedem mais tempo para que a AIEA obtenha avanços.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAIEAONURice

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.