Conflito na Líbia provoca fechamento de rodovia para a Tunísia

Soldados líbios leais ao líder Muammar Gaddafi entraram em confronto com rebeldes neste sábado na cidade de Zawiyah, disseram testemunhas, o que provocou o fechamento da rodovia costeira que liga a capital Trípoli à Tunísia.

NICK CAREY E PETER GRAFF, REUTERS

11 de junho de 2011 | 16h08

Dois repórteres da Reuters que viajaram com seis horas de diferença um do outro, via Zawiyah, situada a apenas 50 quilômetros de Trípoli, tiveram de desviar para estradas secundárias, com escolta policial, enquanto o conflito prosseguia na cidade.

Eles disseram que a rodovia estava deserta, excetuando-se a passagem de soldados, policiais e homens armados em trajes civis. Podia-se ouvir o barulho de disparos vindos de Zawiyah.

Um outro correspondente da Reuters escutou explosões em Trípoli, depois de uma manhã tranquila. Há várias semanas a capital vem sendo alvo de ataques aéreos da Otan.

A TV da Líbia afirmou que "os agressores imperialistas" tinham bombardeado vários locais em Trípoli e no seu entorno.

"A situação está muito ruim em Zawiyah. Está havendo conflitos desde a manhã", disse um morador, que deu apenas seu primeiro nome, Mohammed, por temer represálias.

Cinco meses depois de as forças de Gaddafi terem esmagado uma revolta popular, que deu origem a uma rebelião armada contra as quatro décadas do líder no poder, a guerra civil na Líbia permanece em impasse.

Quase três meses de bombardeios da aviação da Otan contra alvos militares do governo fracassaram em seu esforço de desalojar Gaddafi do poder ou permitir que os rebeldes lancem uma ofensiva contra o território sob o domínio dele, em Trípoli.

Os insurgentes controlam o leste do país, a cidade de Misrata, no oeste, e a cadeia de montanhas perto da fronteira com a Tunísia. Eles tentam cercar a capital e isolá-la, um objetivo que ficaria mais próximo se conquistassem Zawiyah.

Nos últimos quatro meses de conflito a rodovia para a Tunísia tem sido usada pelas autoridades líbias, incluindo desertores, para chegar a outros países, e por caminhões que levam alimentos e outros suprimentos para o território sob controle de Gaddafi.

Ainda neste sábado, as forças pró-Gaddafi cercaram a cidade de Zlitan, situada 160 quilômetros a leste de Trípoli, segundo disseram os rebeldes.

Os confrontos entre os dois lados prosseguiam em Zlitan, de acordo com porta-vozes dos rebeldes. No entanto representantes do governo minimizaram o conflito em Zawiya ou Zlitan.

"Não há nenhum combate sério em Zawiya ou Zlitan. O que acontece é que há pequenos grupos de rebeldes que abriram caminho de Zlitan e montanhas próximas para causar problemas nessas áreas", disse à Reuters o porta-voz do governo, Moussa Ibrahim

Zlitan é uma das três cidades, entre Misrata e a capital, que são amplamente controlada pelo governo. Se ela fosse tomada pelos insurgentes, isso permitiria que o levante anti-Gaddafi se espalhasse além de Misrata, o principal reduto rebelde no oeste da Líbia, chegando a Trípoli.

Gaddafi diz que os rebeldes são terroristas da al Qaeda e que a Líbia é alvo de uma intervenção do Ocidente com a finalidade de tomar o petróleo do país.

(Reportagem adicional de Mussab Al-Khairalla em Trípoli, Sherine El Madany em Benghazi, Joseph Nasr en Rabat e Tarek Amara em Túnis)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIARODOVIATUNISIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.